Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Brava: Shell recolhe taras vazias e cancela novos contratos para “controlar” compra de gás

Nova Sintra, 30 Mar (Inforpress) – A Shell na Brava tem em curso uma campanha de recolha das taras de gás vazias e já cancelou a emissão de novos contratos para controlar a compra de quantidade desnecessária, informou hoje o agente Daniel Miranda.

O agente fez estas declarações em entrevista à Inforpress, onde aproveitou para avançar que em “nenhum momento” anunciaram ruptura de stock.

Explicou que a demanda de compra de gás na Brava surgiu após as pessoas terem visto na comunicação social o que acontecia na ilha da Boa Vista, levando várias pessoas a comprarem gás e limpar o stock que havia para o mês inteiro.

Entretanto, Daniel Miranda realçou que o stock já foi reposto, pois há dois dias receberam o navio que lhes abasteceu de gás butano, gasóleo, gasolina e encontram-se “preparados para um mês e meio de consumo da ilha”.

“A única coisa que estamos a fazer neste momento é cancelar novos contratos, tendo em conta que estávamos na campanha de recolha de taras, as pessoas já ficaram com taras limitadas em casa, assim não há forma de comprar mais do que precisam, já que não estamos fazendo contratos”, reforçou o agente.

Daniel Miranda avançou que não há outra forma de controlar ou limitar a aquisição de gás, tendo em conta que o fornecimento de gás também é feito nas localidades.

O agente aproveitou para relembrar a população de que todo o stock excessivo de gás em casa “é perigoso”, pois no caso de um incêndio quanto mais gás há em casa maior é o perigo.

Já o responsável pelo Serviço da Protecção Civil na ilha, António Marcelino, apela as pessoas a não fazerem stock exagerado para além do que é recomendado, pois, pode ocorrer sérios riscos, reforçando que as empresas nacionais já anunciaram que há um stock suficiente para abastecer o país.

Daí, explica que não há necessidade de fazer stock exagerado e colocar em risco o bem-estar da família.

Até aproveitou para sugerir aos agentes e revendedores para criarem uma ficha de registo e controlo onde cada família poderia ter acesso a somente duas garrafas de gás.

MC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos