Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Brava: Protecção Civil e Bombeiros prepara plano de contingência para época das chuvas

Nova Sintra, 07 Jul (Inforpress) – O sector municipal da Protecção Civil e Bombeiros da ilha Brava está a elaborar o plano de contingência para a época das chuvas, como forma de preparar a equipa e os actores sociais para eventuais ocorrências e intervenções adequadas.

Em entrevista à Inforpress, o responsável pelo sector, António Lopes, avançou que a época das chuvas já está próxima e que o plano já se encontra quase finalizado.

Segundo a mesma fonte, após a elaboração e conclusão do mesmo vai ser ‘socializado’ com toda a equipa e os diversos actores sociais da ilha, onde cada um passa a ter o conhecimento das suas responsabilidades perante qualquer eventualidade que possa vir a acontecer.

Questionado sobre as maiores preocupações da equipa neste período, António Lopes apontou a questão das cheias e inundações, queda de pedras e derrocadas, algumas casas que podem apresentar riscos de desabamento e queda de árvores na maior parte das localidades.

Este responsável aproveitou para anunciar o plano de fiscalização nas praias balneares, uma vez que já foi feito o anúncio das mesmas, explicando que o serviço da Proteção Civil na ilha passará a fiscalizar todos os fins de semana o cumprimento das normas e medidas emanadas pelas entidades sanitárias.

“Todos os finais de semana vamos efectuar a fiscalização tendo em conta que é uma exigência do nosso sector e perante a situação de calamidade que ainda está a vigorar, temos de fazer a nossa parte”, disse a mesma fonte, realçando que a lei é clara sobre o respectivo papel de cada sector envolvido na luta contra a pandemia da covid-19.

“Peço a população que todos façam a sua parte para podermos reduzir o número de casos activos na ilha”, ressaltou.

Por enquanto, António Lopes realçou que não foi afixado um horário pelo Instituto Marítimo Portuário para permitir frequentar as praias balneares, mas caso houver necessidade, as entidades locais vão solicitar o estabelecimento do mesmo, permitindo às pessoas a terem um pouco de lazer, mas permitir às entidades fazer o seu trabalho em conformidade com a lei.

MC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos