Brava: Pequenos deputados louvam iniciativa, mas lamentam não terem tido oportunidade de intervir como previsto

Nova Sintra, 20 Nov (Inforpress) – Os pequenos deputados da Escola Secundária Eugénio Tavares, na Brava, louvaram a iniciativa de mais uma edição do Parlamento Infanto-Juvenil, mas lamentaram o facto de não conseguirem intervir devido a problemas de comunicação.

David Gomes, parabenizou a equipa organizadora, porque segundo o mesmo é uma “iniciativa importante e de valor” para a sociedade, mas lamentou o facto de na Brava não terem tido oportunidade de fazerem as suas intervenções como planeadas devido a vários problemas técnicos.

“Se não estivéssemos a enfrentar esta pandemia da covid-19 teríamos feito uma melhor apresentação na cidade da Praia, pois seria presencialmente e teríamos representado a Brava da melhor forma”, disse o pequeno deputado.

Entretanto, aproveitou para deixar a sua preocupação sobre o alcoolismo, com o tema “zero álcool, mais vida”, descrevendo o alcoolismo como uma “situação muito preocupante”.

“É lamentável saber que cerca de 30 por cento (%) das crianças e adolescentes de Cabo Verde começam a experimentar o álcool a partir dos 13 anos”, apontou o David Gomes, sugerindo que na sua opinião deveria ter “leis mais severas e um reforço das penas”.

Pois, segundo o mesmo não vale a pena somente criar leis e no dia-a-dia ver que a situação continua o mesmo ou pior.

Neste sentido, apelou a conscientização dos comerciantes, pais e encarregados da educação no sentido de fazerem um “esforço” e apoiar na luta, evitando a comercialização do álcool para menores de 18 anos mesmo, na prática e a não disponibilização de bebidas alcoólicas em casa por parte dos pais.

“Devem e devemos saber que as crianças e adolescentes são o futuro do País”, avançou, questionando o que será de Cabo Verde se quem é responsável pelo seu futuro está a envolver com álcool ainda precoce.

Alia Correia, que também participou nesta sessão viu este fórum como sendo uma “boa iniciativa” principalmente para as crianças e adolescentes lamentando as dificuldades que enfrentaram com a rede.

Sobre o álcool, Alia Correia realçou que na sua intervenção queria perguntar ao Presidente da República se a campanha “Menos álcool mais vida” está a ter alguma evolução.

Já sobre o tema abuso sexual infantil avançou que a cada ano a situação está piorando e em relação à proposta de lei discutida no passado mês de Outubro, no parlamento, sugere que devem ser “aumentadas as penas”, já que o bem-estar da criança e adolescente é um factor “muito importante” na sociedade.

O Parlamento Infanto-Juvenil 2020 teve lugar no âmbito do 31º aniversário da Convenção dos Direitos das Crianças, em parceria com o Unicef, a Presidência da República, a Assembleia Nacional, os Ministério da Educação e da Família e Inclusão Social, a Acrides e as Aldeias SOS, debateu temas como violação e exploração sexual e uso abusivo de álcool na adolescência.

MC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos