Brava: Organização da primeira mini maratona satisfeita com a participação do público

Nova Sintra, 16 Mar (Inforpress) – José Andrade, fundador da fundação José Andrade, assim como os outros membros da organização, demonstraram-se satisfeitos com a participação do público na primeira mini-maratona realizada na ilha, por iniciativa da fundação.

Segundo o dirigente, este evento foi organizado “meio em cima dos joelhos”, mas a participação do público demonstrou que é necessário que haja mais iniciativas do tipo.

José Andrade considerou que actividades do tipo podem ser consideradas “portões de saídas” para a ilha, tendo em conta que não acontecem ou não “passam grandes coisas” na Brava, ajuntando que a fundação, juntamente com outras associações locais, pretendem “dar mais dinâmica e criar outros tipos de actividades”.

Neste momento, conforme adiantou, o foco principal é a construção da sede da fundação, embora em paralelo, possuem um plano de actividades a ser cumprido ao longo do ano em curso.

Por sua vez, o presidente da Associação Regional de Atletismo, João Paulo Silva , fez um balanço também “positivo” do evento, tendo em conta que a fundação é mais para a vertente cultural, mas trabalha sempre em uníssono com outras associações de diversas índoles na ilha.

Em relação à participação da população, o mesmo demonstrou satisfeito com a adesão, desde a camada jovem até quase terceira idade e todos chegaram à meta.

Houve entrega de troféus e um prémio simbólico para o primeiro lugar feminino e masculinos e também medalhas para segundo e terceiro lugares de ambos os sexos.

A vencedora Anica de Pina, de 16 anos, louvou a fundação pela iniciativa, por lhe ter dado a oportunidade de pôr em prática tudo o que ela tem feito, treinando sozinha todos os dias.

Para ela, este prémio é um incentivo para que continue a fazer a sua preparação física e participar em outras actividades do tipo.
Ruben Duarte, atleta desta modalidade já profissional, conhecido por Roberto, foi o primeiro a cortar a meta, no sexo masculino, e para este, o troféu foi um “reconhecimento” do esforço e um “incentivo” para as próximas provas que já tem agendado.

Tendo em conta o número de pessoas que participaram, Roberto sugere às outras associações existentes na ilha que organizem mais actividades do tipo, de forma a incentivar os jovens a praticarem e amarem mais o atletismo, tendo como principal objectivo tirá-los e livrá-los dos males sociais que estão afectando a camada jovem nos dias de hoje.

Esta primeira mini maratona na ilha Brava foi para comemorar o terceiro aniversário da fundação, que além da vertente cultural, actua nas áreas sociais, tendo como fim “trabalhar para o desenvolvimento da ilha Brava e lutar contra a pobreza”.

MC/JMV

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos