Brava: Edil nota necessidade de criar centro social em Nossa Senhora do Monte para dinamizar juventude

Nova Sintra, 15 Ago (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal da Brava, Francisco Tavares, disse este domingo, 14, que, ainda neste mandato, pretende criar um centro social para acolher, dinamizar e ocupar o tempo livre dos jovens em Nossa Senhora do Monte.

Francisco Tavares falava à Inforpress sobre os ganhos e desafios no âmbito do sétimo aniversário da elevação dessa localidade à categoria de Vila, que hoje se assinala, reconhecendo a necessidade de “reforçar” os cuidados para com a juventude.

Segundo o autarca, os ganhos que a Vila de Nossa Senhora do Monte atingiu, de 15 de Agosto de 2015 a esta parte, têm sido vários, começando pelas intervenções no âmbito das acessibilidades e arruamentos, tendo a municipalidade, com o apoio do Governo realizado intervenções no centro da Vila, com a construção de arruamentos, e outras intervenções de melhoria nas habitações de famílias mais carenciadas, intervenções no polivalente local, entre outras.

A reabilitação da estrada de ligação Nova Sintra – Nossa Senhora do Monte segundo o autarca é uma das “grandes realizações”, pois era algo esperado há muito pela população da ilha e mais ainda pelos moradores das localidades pertencentes à Nossa Senhora do Monte.

Igualmente, afirmou que outras intervenções foram feitas na freguesia, mas não no centro, ou seja, nas outras localidades que compõem a mesma e em diversos sectores.

Também, elencou ganhos a nível da educação, realçando que a autarquia tem apostado na formação dos jovens com apoios em diversos sentidos, reforçando que a câmara municipal, em parceria com o Governo, tem em andamento obras de requalificação da Escola Básica de Nossa Senhora do Monte, que considerou um projecto ambicioso, mas ciente dos desafios que o mesmo possui pela frente.

No quadro dos desafios, indicou que estes se encontram presentes nas áreas que a zona possui vocação, nomeadamente a pecuária, agricultura e pesca, informando que se apostou na formação para agricultores e criadores de gado, embora a adesão dos jovens da localidade não tenha sido tão significativa.

Perante este cenário, sublinhou que “é preciso fazer algo mais para que a população e principalmente a juventude seja mais proactiva na dedicação aos estudos, procura do emprego e de criação dos próprios negócios”.

Na área do empreendedorismo, evidenciou que têm surgido algumas unidades de restauração, nomeadamente lanchonetes, fruto do empreendedorismo jovem, mas defendeu que é uma localidade com “muito mais oportunidades e potencialidades”, mas que é necessário trabalhar no sentido de fazer com que a sociedade esteja atenta a estas oportunidades.

Quanto à reivindicação da população para a colocação de uma caixa Vinti4, Francisco Tavares explicou que neste momento as negociações juntamente com os bancos existentes na ilha se encontram paradas.

“Mesmo tendo a edilidade oferecido, gratuitamente, um espaço físico e guardas 24 horas no polivalente ou no espaço da edilidade municipal e suporte de Internet, nenhuma das instituições respondeu positivamente nesse sentido”, disse o autarca, realçando que os três bancos na ilha, (BCA, Caixa Económica e BCN), disseram que a nível de negócio, na freguesia, “não existe um movimento justificável para os investimentos que vão ser feitos para a colocação desta caixa Vinti4 e somente a câmara não consegue fazer isso”.

MC/HF

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos