Brava: Delegacia de Saúde e Projecto Health CV pretendem unir esforços na prevenção de doenças crónicas

Nova Sintra, 06 Jun (Inforpress) – Asheley Baptista, directora clínica da terceira missão do projecto Health CV,  que se encontra na Brava, anunciou hoje que vão se unir à Delegacia de Saúde para um trabalho conjunto na prevenção das doenças crónicas, cujos números lhes deixaram “preocupados”.

Esta responsável falava à Inforpress, em modo de balanço da visita de três dias do grupo constituído por 18 pessoas, entre médicos especialistas e enfermeiros que, em três dias, já atenderam mais de 200 pacientes.

Tendo em conta os resultados obtidos, fez uma “avaliação positiva” desta missão, destacando o suporte que receberam da equipa de médicos e enfermeiros da ilha Brava, o que lhes permitiu ter “bons resultados”.

O que preocupou a equipa médica estrangeira, segundo a responsável, foi o grande número de doentes crónicos existentes na ilha, anunciando  que o projecto vai trabalhar, unindo esforços com os médicos locais, de forma a trabalharem na prevenção dessas enfermidades, por um lado, e, por outro, trabalhar também para o desenvolvimento e melhoria das condições sanitárias para que a ilha possa ser um lugar “seguro” a nível de cuidados de saúde.

Quanto às doenças crónicas, a médica evidenciou que caso for trabalhado na prevenção e controladas logo no início, pode-se prevenir várias complicações e transferências de pacientes para os hospitais regionais ou centrais.

Questionada sobre a possibilidade de regressarem à ilha para dar continuidade ao trabalho iniciado, informou que vão estudar a possibilidade de visitar à ilha pelo menos duas vezes por ano para estarem mais perto dos pacientes e apoiar a equipa local.

Igualmente, Hélder Pires, delegado de saúde destacou que os benefícios desta missão foram vários e plausíveis, elencando o número de consultas oferecidas, a diminuição das listas de espera para consultas de especialidades, mas deixou claro que a carência de recursos humanos na delegacia ainda continua.

Também realçou que a equipa trouxe alguns equipamentos que vão ser úteis e eficientes em alguns diagnósticos, sublinhando ainda que através de cooperações entre a delegacia, o projecto e outras instituições, posteriormente poderão receber outros equipamentos e outras missões.

Quanto à preocupação demonstrada pela médica Asheley Baptista sobre os pacientes crónicos, o delegado reconheceu a existência de algum desleixo por parte dos pacientes.

O responsável indicou que quando acontecem estes tipos de acções, vários pacientes, que normalmente não costumam procurar o hospital, decidem agendar consultas.

Nesta situação, explicou, antes de qualquer paciente ser atendido pelos médicos, fazem a triagem, onde foram diagnosticados vários pacientes diabéticos, hipertensos, que agora vão passar a ser seguidos pela equipa de saúde local.

Segundo a mesma fonte, a questão das doenças crónicas na Brava é algo que deve ser analisada, porque há falta de recursos humanos na delegacia para dar o devido acompanhamento aos pacientes e há um grande número.

Também apontou a questão do HIV, que é da responsabilidade do delegado, que neste momento, conforme anunciou , está a fazer tudo o que se encontra ao seu alcance e da sua equipa, para dar vazão a estas questões, mas foi claro, reconhecendo que não conseguem dar conta de tudo.

“Brava é vista como uma ilha pequena, mas na verdade ao ver o número de doenças crónicas e outras enfermidades, passamos a ver que não é tão pequena como parece”, finalizou o médico.

A Organização não Governamental “Project Health for Cape Verde” esteve na ilha Brava no final de Novembro de 2018 para se inteirar da realidade da ilha e estabelecer contactos na área da saúde, a convite da Fundação José Andrade e alguns descendentes da ilha, e desde então desloca-se à ilha para realização de consultas.

MC/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos