Brava: Biflores já plantou quase mil plantas endémicas e forrageiras nas trilhas de acesso à Fajã d´Água

Nova Sintra, 07 Set (Inforpress) – A associação Biflores fez a plantação de quase mil mudas de plantas endémicas e forrageiras na Brava com foco na recuperação da biodiversidade existente na ilha, revelou hoje a organização.

A informação foi dada à Inforpress pelo técnico de extensão rural da associação, Vani Furtado, precisando que ao todo foram 470 plantas endémicas, entre elas dragoeiro, tintórias, tortolho e funcho, e 485 plantas forrageiras, nomeadamente moringa, mimosa, cactos forrageiros e phytolacca dioica.

Segundo a mesma fonte, foram feitas plantações nas trilhas que dão acesso à bacia hidrográfica de Fajã d´Água, para tentar diminuir a prática do pastoreio livre que tem contribuído para a perda destas espécies e outras que têm vindo a secar.

Sendo assim, estão a fazer a reposição destas espécies para manter a estabilidade e também em alguns casos, explicou que as plantações foram feitas de forma a construir cortinas e barreiras de protecção.

Como associação ambiental reforçou que estão a trabalhar com foco na recuperação de toda a biodiversidade existente na ilha e a trabalhar na reflorestação de plantas endémicas e recuperação de todas as espécies vegetais endémicas, esperando o apoio de toda a comunidade para poder ter uma vida selvagem sustentável.

Para diminuir a taxa de erosão praticada pelo pastoreio livre, Vani Furtado realçou que fizeram algumas acções de sensibilização, mas é algo que se deve continuar, pois denunciou que têm deparado que os criadores, sobretudo de burros, têm vindo a amarrá-los em locais inclinados o que não ajuda no combate à erosão.

Daí, anunciou que principalmente nesta época da azágua vão fazer um “trabalho árduo” em matéria de sensibilização para tentar manter o pastoreio controlado, mas também uma sensibilização para instigar os criadores a fazerem campos forrageiros para que mais adiante possam fazer o processo de selagem e guardar o produto para ser utilizado nas épocas secas com maior qualidade.

Para apoiar os criadores, destacou que a Biflores quer fazer a plantação de uma parcela com milho do sul e feijão congo na localidade de Mato, e mais adiante fazer a selagem.

A Biflores é uma associação de conservação da biodiversidade, sediada na ilha Brava, e tem como finalidade a protecção e conservação dos ecossistemas marinhos e terrestres, da sua biodiversidade e dos recursos naturais, bem como fomentar o envolvimento e o desenvolvimento sustentável da comunidade na ilha.

MC/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos