Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Bombeiros da Praia entram em greve porque autarquia “não respeita acordo assinado” há três meses – sindicalista (c/áudio)

Cidade da praia, 08 Jul (Inforpress) – Os bombeiros da Praia iniciaram hoje uma greve de dois dias porque, segundo o sindicato que os representa, a câmara “não está a cumprir um acordo assinado há três meses” sobre promoções, progressões e subsídio de risco.

Em declarações à Inforpress, o líder do Sindicato de Indústria Geral, Alimentação, Construção Civil, Agricultura, Florestas, Serviços Marítimo e Portuário (SIACSA), Gilberto Lima, acusou os responsáveis da Câmara Municipal da Praia de “não dialogarem com os sindicatos”, quando foram confrontados com o não cumprimento do acordado em sede da Direcção-geral do Trabalho (DGT).

“No quadro do pré-aviso da greve, fomos convocados pela DGT e a câmara não compareceu”, lamentou o presidente do   SIACSA, lembrando que, à luz do Código Laboral  em vigor no país, a presença das partes “é obrigatória”.

A falta de comparência da Câmara Municipal da Praia no encontro convocado pela DGT, segundo aquele responsável sindical, criou um “mal-estar no seio da classe dos bombeiros”, pelo que não restava outra solução, senão partir para a greve.

Explicou ainda que por causa da não comparência dos responsáveis da autarquia na referida reunião, os serviços mínimos não foram discutidos e, mesmo assim, disse, o sindicato, “por iniciativa própria”, contactou o comandante dos bombeiros, Celestino Afonso, e o responsável dos recursos humanos, e foi analisada a possibilidade de se disponibilizar 13 homens para cobrir as “necessidades impreteríveis” durante o período da greve.

“Neste momento, acabo de receber uma chamada do comandante a dizer que os 13 homens não lhe chegam, porque não tem condutores, entre outras coisas”, afirmou, para depois lembrar que a importância da greve  é “para ter o  impacto e sem isto não existe em parte alguma”.

Relativamente à possibilidade de a câmara, via Governo, recorrer à requisição civil, adiantou que, caso isto venha a acontecer, os bombeiros vão acatar, mas que a edilidade ficará cada vez “mais enfraquecida”, porque a não comparência na reunião convocada pela DGT podia significar que não haveria os serviços mínimos.

Instado se houver um  incêndio disse que o sindicato e os bombeiros analisarão friamente a situação.

“Deus queira que não aconteça nada, mas se acontecer, paciência”, suplicou o sindicalista, rematando que os bombeiros são uma classe “muito especial” e, por isso, deviam ter um “tratamento diferenciado” em relação aos demais trabalhadores.

A Inforpress esteve na sede câmara da Praia para ouvir a versão da edilidade, mas foi informada que o presidente se encontra fora da ilha.

Na ocasião, o vereador que superintende a área dos bombeiros também estava ausente.   Tentamos contactar o comandante dos bombeiros da Praia, Celestino Afonso, e este, por razões que se desconhece, não atendeu o telemóvel.

LC/AA

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos