Boa Vista: “Tive o privilégio de pastorear a igreja nos Estados Unidos que enviou o primeiro missionário nazareno a Cabo Verde” – pastor José Delgado

Sal Rei, 29 Jun (Inforpress) – O pastor nazareno, José Delgado, reformado com 50 anos de ministério e que pregou o evangelho nos Estados Unidos durante 36 anos, encontra-se na ilha da Boa Vista no 66ª Assembleia Distrital e Convenções, “Unidos numa Missão”.

Em entrevista à Inforpress, José Delgado falou do seu percurso religioso, em que ministrou a palavra de Deus na Igreja Nazarena, nos Estados Unidos, de onde foi enviado o cabo-verdiano João José Dias, primeiro missionário nazareno que chegou à ilha Brava em 1901.

O pastor José Delgado, natural de São Nicolau, iniciou o seu ministério nas ilhas do Maio e Fogo. Depois rumou a Portugal, onde foi um dos pioneiros tendo organizado a primeira igreja nazarena. Ali organizou o primeiro distrito nazareno onde desempenhou o cargo de secretário distrital naquele país europeu.

Depois da Europa, segundo conta, recebeu o convite da Igreja nos Estados Unidos, na altura precisavam de um pastor bilingue.

“Tive o privilégio de pastorar a igreja nos Estados Unidos que enviou para Cabo Verde, o primeiro missionário nazareno, o reverendo João José Dias, que era natural da ilha Brava. Aquela igreja é para nós histórica, porque Cabo Verde foi o segundo campo missionário da igreja nazarena”, disse o pastor que sentiu a chamada de Deus para a igreja nazarena com 20 anos quando fez o seminário em São Vicente, em 1978.

Depois de formar em São Vicente, na ilha do Sal “ouviu o evangelho com o pastor reverendo Sabino Évora, que tinha se formado também na Igreja Nazarena”.

“Depois de 36 anos a ministrar nos Estados Unidos, completei cinquenta anos como pastor no ano passado”, contou José Delgado, que durante esta missão nos Estados Unidos, mestrou-se em Psicologia e Aconselhamento Familiar.

Ali trabalhou durante 26 anos numa clínica, tendo ajudado a comunidade cabo-verdiana nos EUA, e apoiado outras comunidades nomeadamente os portugueses, mexicanos e porto-riquenhos.

Para o pastor, desempenhar aquelas funções, “mais do que um trabalho”, foi um ministério para os grupos que não falam inglês que precisavam de apoio principalmente na área de saúde mental.

Há 15 anos que reside em São Tomé e Príncipe onde continua o ministério da compaixão para os patrícios cabo-verdianos que residem naquele país.

“Estou aposentado, mas continuo activo na igreja”, concluiu o pastor José Delgado que se encontra por estes dias na ilha da Boa Vista, na 66ª Assembleia Distrital e Convenções, “Unidos numa Missão, congresso que considera histórico e que não poderia deixar de estar junto com os irmãos.

VD/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos