Boa Vista:  Tith Ramos expõe “Boa Vista – viagem no tempo” no Centro de Artes e Cultura

 

Rabil, Boa Vista, 03 Jul (Inforpress) – O artista Tith Ramos tem patente no Centro de Artes e Cultura, em Sal-Rei, a exposição de pintura e fotografia “Boa Vista – viagem no tempo”, uma forma para celebrar as festividades do município e da Santa Isabel.

Cerca de duas dezenas de quadros expostos em duas salas, separadas, na sua grande maioria retratadas e pintadas por este artista plástica que há 20 anos vem projectando a ilha, e que nos últimos cinco apaixonou-se pela arte de fotografar, ornamentam  este emblemático espaço, dos mais modernos e capacitados para do país em termos de actividades culturais.

À Inforpress, Tith Ramos revelou tratar-se da sua  segunda exposição e que foi patrocinada pela câmara municipal em 80 por cento, de forma a fazer uma retrospectiva da Boa Vista desde a sua antiguidade até a presente conjuntura.

Nascido de uma  família tradicional de judeus, Tith Ramos exibe nesta montra fotos desde  antiguidade, retratando figuras como o seu trisavó, Isaac, a paisagens características desta ilha das dunas à pinturas de quadros em que destacam celebridades como Cesária Évora ou do ex-Presidente da República, Aristides Pereira, ou mesmo o carismático tamboreiro Taninho d’Rabil.

Tith Ramos tem catalogado a ilha com pinturas na qual destaca a Última Ceia e a mural no Centro de Artes e Cultura, de entre muitas outras iniciativas que dão um embelezamento notável à ilha,

Define-se como um artista plástico versátil e realista  que decide partilhar a arte de fantasiar com a de fotografar e que não vê limite para continuar a sua aprendizagem no mundo de artes plástica, actividade que o mesmo considera estar num mundo muito à frente da actualidade, por vezes “incompreendido pelas pessoas”.

Considera que conta a sua pintura consegue decifrar as falhas em termos de infra-estruturação com que a ilha sofre com o seu desenvolvimento, por entender que não foi levado em conta os riscos de crescimento a tal ponto do bairro da Boa Esperança contar neste momento com 50 por cento da população da ilha.

Considera-se um criador que decide seguir os seus passos em frente, independentemente das críticas da população que, a seu ver, nem sempre consegue viver no seu mundo realismo como a pintura corporal.

SR

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos