Boa Vista: Governo não enviou e não enviará nenhum emissário para a Venezuela – PM (c/áudio)(CORRIGIDA)

Sal Rei, 22 Ago (Inforpress) – O primeiro-ministro (PM) asseverou hoje que o Governo de Cabo Verde não enviou nenhum emissário para a Venezuela e não enviará, porque um processo judicial está em curso e pediu para que se deixe a justiça funcionar.

O chefe do Governo, Ulisses Correia e Silva, fez estas declarações hoje à comunicação social durante a visita à ilha da Boa Vista, onde se encontra para cumprir o programa do Governo no que tange a inaugurações e visitas.

O governante reagia assim sobre as declarações da líder do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV- oposição), Janira Hopffer Almada, na sua página do facebook sobre o alegado envio de emissários à Venezuela, no caso que envolve a prisão do empresário venezuelano Alex Saab.

A presidente do PAICV escreveu: “uma decadência na governação, que nos envergonha a todos, A “Corda” já começou a arrebentar! E começou a arrebentar do lado mais fraco! Pois claro!”.

A líder do maior partido da oposição sugeriu ainda uma série de questões, a registar: “se entra na cabeça de quem, que esse “Senhor” terá ido à Venezuela, para tratar de assuntos de Estado, por iniciativa própria? Mas, se ele não foi à Venezuela, por que razão o Governo o demite? E se não foi fazer nada de mal e que não era secreto, por que razão ele é demitido com efeitos imediatos e com esses fundamentos tão graves a justificar a demissão?”

Janira Hopffer Almada afirmou ainda que “todos sabem que a governação está desnorteada, mas que não era preciso descer tão baixo”.

A mesma termina a sua publicação em rede social exclamando: “É possível ser-se sério e honesto, exercer funções públicas com dignidade. É possível governar com responsabilidade e ética, e governar de outra forma.

Conforme o primeiro-ministro, estas declarações “são extremamente irresponsáveis, graves, um autêntico atentado a imagem e a credibilidade do Estado de Cabo Verde, baseando-se em rumores que não se confirmam”.

“O Governo do Estado de Cabo Verde não enviou nenhum emissário para a Venezuela e não enviará, porque estamos com um processo judicial em curso e deixemos que a justiça funcione e faça a sua decisão”, precisou.

O chefe do Governo frisou ainda que considera “irresponsabilidade inqualificável do maior partido da oposição, que se espera que aja com sensatez, com sentido de estado relativamente a questões de relações externas e diplomáticas importantes entre Cabo Verde e países terceiros”.

Entretanto sobre este caso, na quinta-feira, 20, a imprensa internacional escreveu que o Governo de Cabo Verde enviou dois emissários a Caracas (Venezuela), Gil Évora e o ex-director-geral do Turismo, Carlos dos Anjos, com a missão de encetar contactos com o Presidente Nicolás Maduro na sequência da detenção de Alex Saab.

O presidente do conselho de administração da Empresa Nacional de Produtos Farmacêuticos (Emprofac), Gil Évora, foi demitido na sexta-feira pelo Governo, que alega “violação dos deveres inerentes ao gestor público e desvio da finalidade das funções”.

Num comunicado de imprensa enviado à Inforpress, o Governo informou que, ao abrigo da Deliberação Unânime nº 27 de 21/08/2020, do accionista único, Estado de Cabo Verde, da Emprofac, SA, foi procedida à demissão, com efeitos imediatos, do cargo de presidente do conselho de administração da Emprofac, SA, Fernando Gil Évora.

Sem avançar mais pormenores, o Governo alegou que em causa está a “violação dos deveres inerentes ao gestor público e desvio da finalidade das funções”.

Alex Saab Morán foi detido no dia 12 de Junho, na ilha do Sal, e aguarda desde o dia 16 de Julho o final do processo de extradição para os Estados Unidos da América.

(CORRIGE-SE, SUBSTITUINDO AS DECLARAÇÕES DO SECRETÁRIO-GERAL DO PAICV  PELAS DA LÍDER DO MESMO PARTIDO, ÀS QUAIS REAGIU O PRIMEIRO-MINISTRO)

VD/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos