Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Boa Vista conta com o seu primeiro Centro de Emprego e Formação Profissional

Sal Rei, 27 Jan (Inforpress) – A ilha de Boa Vista viu hoje inaugurado o seu primeiro Centro de Emprego e Formação Profissional, um investimento do Governo através do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), Cooperação Luxemburguesa e Câmara Municipal.

“(…) Este é um dos maiores investimentos que estamos a fazer aqui na Boa Vista, que é investir nas pessoas, nas qualificações, no bem-estar, dar as pessoas as ferramentas para que possam cuidar do seu futuro, para que possam viver do suor dos seus esforços”, afirmou o vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, durante a inauguração, destacando as parcerias da Câmara Municipal da Boa Vista e do Grã-ducado de Luxemburgo.

O governante prometeu dar aos jovens da ilha as qualificações que precisem e criar as conjunturas para que nenhum fique de fora, sob o argumento que os pais não têm meios financeiros para custear a formação profissional.

“Não podemos permitir que a pobreza do país possa ser um argumento para perpetuar a pobreza dos filhos”, afirmou o também ministro das Finanças, referindo-se a necessidade de romper este ciclo vicioso de pobreza com a ferramenta do acesso à educação e formação profissional, independente de recursos financeiros do país, e através de instalações de centros de emprego em todas as ilhas.

Já o presidente do Conselho Directivo do IEPF, Paulo Sanches, considerou ser hoje um dia de festa de alegria para a juventude boa-vistense, sendo que em 25 anos de existência o instituto passou a marcar presença efectiva na “ilha das dunas”.

O dirigente do instituto falou do estudo solicitado pelo IEFP ao Programa de Emprego e Empregabilidade (CV-081) da Lux Development, realizado em Novembro de 2018, que demostrou viabilidade e permitiu definir o modelo de intervenção para instalar o centro de emprego e formação profissional na ilha da Boa Vista.

Paulo Sanches destacou ainda dois parceiros do IEFP na elaboração deste projecto, quais sejam a Câmara Municipal da Boa Vista e o Fundo do Turismo.

Do primeiro, realçou o contrato de concessão da edilidade, que aprovou a cedência do espaço da escola dos pescadores, e de uma sala de formação no segundo piso do Centro de Arte e Cultura (CAC) para instalar o centro, bem como disponibilização de um técnico para colaborar a tempo inteiro no centro, com encargos suportados pelo orçamento da autarquia.

Do segundo parceiro, frisou o contrato-programa assinado em meados de 2019, em que o Fundo do Turismo disponibilizou uma dotação financeira para financiar um programa trianual de formação para o sector de hotelaria e turismo, e aquisição de equipamentos técnicos na área de manutenção para uma sala de aula prática.

Ainda, segundo o mesmo o Fundo do Turismo apoiou a constituir um quadro de pessoas para o arranque do centro, com o financiamento da contratação desde Setembro do ano passado, de um técnico superior para assegurar a executar e coordenar as atividades de formação profissional.

Já a encarregada de Negócios da Embaixada do Luxemburgo em Cabo Verde, Ângela Cruz, considerou ser este um marco para a vida dos trabalhadores da Boa Vista, sendo que pode-se, doravante, contar com o centro, “uma necessidade que se fazia sentir nos últimos anos”.

O presidente da Câmara Municipal da Boa Vista, José Luís Santos, por sua vez manifestou-se também “convicto e esperançoso” de ser hoje mais um dia de “grande importância” para o processo de desenvolvimento da ilha.

No seu ver, não é exagero afirmar que a Boa Vista viveu “um dos momentos mais sublimes da sua história recente”, tendo em conta o contexto que uma escola ou centro de formação profissional dá oportunidade de ter uma profissão a entrar no mercado de trabalho, promove a estabilidade, a realização pessoal e a integração social.

O edil boa-vistense justificou ainda a necessidade deste espaço, recorrendo aos dados da INE, sobre a quadruplicação demográfica na ilha, a taxa do desemprego, que situava-se em 19,5% em 2018, e ainda ao facto da Boa Vista ser a segunda ilha mais turística do país, ser um dos grandes ingredientes que vem aliciando os jovens em buscas de oportunidades de vida.

José Luís Santos falou ainda nas missões colectivas e individuais deste espaço, primeiramente referindo aos jovens que terão mais oportunidades de desenvolver os seus talentos e criar o auto-emprego na sua ilha de residência promovendo a integração social e familiar bem como a auto-estima.

O mesmo referenciou ainda as famílias que reduziram o custo de formação dos filhos fora da ilha, para as empresas que passaram a dispor da mão de obra local qualificada, o que afiançou, vai permitir que o IEFP tenha uma relação mais directa com as empresas locais nesta demanda e ainda as autoridades locais.

“Estamos felizes em ver o centro de emprego e formação profissional na Boa Vista para que os residentes e jovens desta ilha possam receber formação aqui, e aqui trabalhar prosperarem e serem jovens do futuro”, considerou o edil, louvando ainda o fruto desta parceria que fez nascer o centro de emprego.

VD/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos