Boa Vista: Autarquia tem em curso plano operacional de controlo de cães avaliado em mil contos

Sal Rei, 17 Ago (Inforpress) – A Câmara Municipal da Boa Vista (CMBV) tem em curso o plano operacional de controlo de cães, tendo já sido colocado chips em 60, informou hoje a autarquia.

Em declarações à Inforpress, o vereador da Saúde e Ambiente, João Mendes, adiantou que o projecto, avaliado em 1000 contos, visa resolver a problemática de cães vadios sem registo.

O responsável explicou que esta iniciativa, que se enquadra no Código de Posturas Municipal, tem ainda por objectivo quantificar o número de cães existente no município, de forma a diminuir a problemática de cães vadios sem registo.

O autarca lembrou que a câmara assinou um protocolo com a Movimento Civil para as Comunidades Responsáveis, seguido de um workshop, para delinear planos e definir diretrizes do que viria a ser feito neste plano operacional de controle de cães, a começar com o registo e introdução de chips nos animais, um trabalho realizado em parceria com a Associação de Animais Nerina.

João Mendes afirmou que o registo feito em Cabeça dos Tarrafes, Fundo das Figueiras e em João Galego permitiu a colocação de chips em 60 cães.

Hoje, a equipa esteve a realizar trabalhos em Bafareira e em Povoação Velha, mas, entretanto, antes disso, realizou-se campanhas de sensibilização de registo canídeos e contra o abandono dos cães nas localidades da ilha.

“Estamos no terreno a explicar as pessoas sobre o Código de Postura, porque o registo de cães é obrigatório. Temos vindo a percorrer as localidades para efectuar o registo destes animais e colocação de chips de identificação nos animais de forma gratuita nesta primeira fase”, afirmou, precisando que, para isso, a autarquia fez a aquisição de cerca de mil contos em materiais, chips e leitores dos mesmos.

Sobre o processo, indicou que, com base no registo feito, cada animal passa a ter um chip de identificação, com um código numérico, que é lido através de um leitor, ou seja, o referido chip vai permitir saber quem é o dono do animal, o nome, a idade, entre outros dados.

O vereador realçou que o registo é a maneira mais eficiente de encontrar um animal perdido ou localizar o dono, além de fornecer informações sobre o número de animais no município.

Para concluir esta fase de registos, o vereador contou que vai se avançar para a fase da introdução dos chips na plataforma de dados, e de seguida passa-se para a fase da castração dos animais.

Ainda sobre este plano operacional de controlo de cães domésticos com donos, João Mendes avançou que a autarquia pretende voltar a percorrer as zonas para capturar e registrar os cães vadios e que se encontram à solta, daí que ainda não há previsão para o término deste trabalho no terreno.

“Mais tarde o registo de cães vai ser obrigatório para se cumprir e colocar em prática o código de postura”, assegurou, frisando que este plano vai ajudar no controlo da comunidade canina na ilha e controlar o ataque de cães vadios aos gados na ilha.

O vereador de Saúde e Ambiente apela às pessoas que têm cães em casa para se dirigirem às delegações municipais para os registar, pedindo ainda que não os deixem soltos, uma vez que podem ir aos currais atacar gados.

VD/JMV
Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos