Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Biden reconhece “genocídio arménio” e arrisca aumento de tensão com a Turquia

Washington, 24 Abr (Inforpress) – O Presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Joe Biden, descreveu hoje o massacre de 1,5 milhões de arménios pelo Império Otomano, em 1915, como “um genocídio”, num gesto que pode aumentar a tensão com a Turquia.

Numa declaração para evocar o 106º aniversário do início daquele massacre, que ocorre hoje, Joe Biden tornou-se no primeiro Presidente dos EUA a reconhecer formalmente o que aconteceu como genocídio, algo que seus antecessores evitaram para não colocar em causa a aliança com Ancara.

O dia 24 de Abril marca o início dos massacres de arménios pelo Império Otomano, em 1915.

A Turquia recusa o termo “genocídio” e rejeita qualquer sugestão de extermínio, citando massacres recíprocos num cenário de guerra civil e fome que provocou centenas de milhares de mortes em ambos os lados.

Apesar de anos de pressão da comunidade arménia nos Estados Unidos, nenhum Presidente norte-americano ousou irritar Ancara, um aliado histórico de Washington e membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, já reagiu à declaração de Joe Biden.

Erdogan denuncia a “politização por terceiros” do debate sobre a questão do genocídio arménio e adianta que a Turquia não recebe lições de ninguém sobre a sua história.

Joe Biden e Recep Tayyip Erdogan concordaram reunir-se em Junho, paralelamente à cimeira da NATO, em Bruxelas.

Enquanto a conversa entre os dois líderes foi anunciada, na capital da Arménia cerca de 10.000 pessoas marcharam para assinalar o massacre durante a I Guerra Mundial.

A multidão, carregando tochas, marchou do centro de Erevan até ao memorial dedicado às vítimas, com alguns manifestantes a entoarem canções patrióticas enquanto outros tocaram tambores, relataram jornalistas da agência France Presse no local.

Três dezenas de países, incluindo Portugal, e muitos historiadores classificam o massacre como um genocídio, termo rejeitado com firmeza pela Turquia.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos