Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Benny Gantz diz que Netanyahu não tem “mandato moral” para tomar decisões sobre Israel

Jerusalém, 21 Nov (Inforpress) – O principal rival político de Benjamin Netanyahu considerou hoje que o primeiro-ministro em funções, indiciado por corrupção, não possui “qualquer mandato público ou moral” para tomar decisões sobre o destino do Estado de Israel.

Através de uma declaração, o antigo chefe militar Benny Gantz considera que a decisão do procurador-geral de Israel, Avichaï Mandelblit – que hoje acusou Netanyahu de fraude, suborno e abuso de confiança em três casos de corrupção -, levanta o receio de que o primeiro-ministro cessante “tomará decisões para seu único interesse pessoal e para a sua sobrevivência política e não no interesse nacional”.

Netanyahu e Gantz ficaram virtualmente empatados após as legislativas de 17 de setembro e ambos falharam em garantir uma coligação maioritária no parlamento.

O país parece agora caminhar para uma terceira ronda de eleições em menos de um ano.

Antes de anunciar a decisão do procurador-geral, o Ministério da Justiça tinha indicado que Mandelblit anunciaria se acusava ou não Netanyahu ainda hoje, quando o parlamento foi encarregue pelo Presidente Reuven Rivlin de encontrar um chefe de governo, após as tentativas fracassadas de Netanyahu e do seu rival Gantz.

Netanyahu negou sempre o seu envolvimento nos três casos, alegando que as investigações fazem parte de uma vingança política e de uma “caça às bruxas”, que inclui a esquerda, os ‘media’ e a polícia.

“Não haverá nada porque não houve nada”, disse Netanyahu no início do ano.

Os três casos são designados de “1000”, “2000” e “4000”.

No primeiro, Netanyahu, assim como a sua mulher Sara e o filho Yaur são suspeitos de terem recebido benefícios e presentes avaliados em centenas de milhares de euros de vários milionários, como o produtor de Hollywood israelita Arnon Milchan, em troca de ajuda em várias questões.

O segundo é sobre um alegado acordo secreto entre Netanyahu e o editor do jornal diário Yedioth Ahronoth Arnon Mozes. O primeiro-ministro criaria dificuldades ao jornal Israel Hayom, rival do Yedioth Ahronoth, em troca de uma cobertura mais favorável por parte deste.

No designado “caso 4000”, Netanyahu é suspeito de ter beneficiado Shaul Elovich, o principal accionista da maior empresa de telecomunicações de Israel, a Bezeq, em troca de uma cobertura favorável no portal de informação Walla, propriedade da Bezeq.

A 28 de Fevereiro, Mandelblit disse ter aceitado as recomendações da polícia para acusar Netanyahu, o que ficaria dependente de uma audiência final.

No início de Outubro os advogados de Benjamin Netanyahu tentaram exonerar o primeiro-ministro israelita da acusação numa audiência com o procurador-geral, a última tentativa que a lei concedia ao suspeito.

A acusação a Netanyahu, o primeiro chefe de Governo do país a ser acusado enquanto em funções, surge em plena crise política em Israel e pode reduzir as suas hipóteses de se manter no poder.

Pela primeira vez na história do país, o Presidente encarregou hoje o parlamento de encontrar um primeiro-ministro para resolver um impasse político e evitar as terceiras legislativas em menos de um ano.

“O Estado de Israel atravessa um período sombrio da sua história”, declarou o Presidente no parlamento, apelando aos deputados para agirem de modo “responsável”.

Netanyahu e Gantz podem voltar a ser encarregados de formar um governo pelos deputados, o que abre caminho para novas negociações.

A lei israelita não obriga um primeiro-ministro a demitir-se se for acusado, mas Netanyahu, 69 anos e há 13 no poder, poderá vir a ser pressionado nesse sentido além de que não poder vir a ocupar, por lei qualquer outro cargo de Governo ou de Estado.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos