Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Bastonário da Ordem dos Médicos chama atenção para as desigualdades sociais a nível da saúde

Praia, 07, Abr, (Inforpress)- O Bastonário da Ordem dos Médicos, Danielson da Veiga, chamou hoje atenção para as desigualdades sociais a nível da saúde e pediu um olhar mais “humano e justo” às classes mais pobres.

Danielson da Veiga fez estas declarações à Imprensa, no âmbito das actividades alusivas ao Dia Mundial da Saúde, que se assinala hoje, realizadas pela Ordem dos Médicos Cabo-verdianos, sob o lema “Construindo um mundo mais justo e saudável”.

O Bastonário defendeu que todo o ser humano deve ter direitos à saúde, “independentemente da sua “nacionalidade, crença ou classe social”, sustentando que é “necessário haver uma politica de apoio aos grupos com menos condições”.

Danielson Veiga apelou ao esforço “unânime”, no sentido de criar um mundo mais justo e mais saudável para todos os seres humanos.

Falando dos médicos, o responsável entende que é preciso “focar mais” no investimento, na formação dos médicos cabo-verdianos, na tecnologia e na criação de politicas que atraiam as pessoas a virem a Cabo Verde”, sobretudo, reformas da carreira médica e o uso de politicas de fixação de especialistas, sobretudo, nas periferias.

Relativamente à pandemia da Covid-19, destacou o comportamento da maioria dos cabo-verdianos, considerando que houve uma “reacção mista”, tendo a maioria das pessoas comportado e adoptadas as regras e outras não.

A mesma fonte destacou ainda o contributo e a envolvência da Ordem dos Médicos no combate à pandemia da Covid-19.

No que toca às experiencias vividas pelos profissionais de saúde em tempo de pandemia, Veiga precisou que houve necessidade de um “treinamento e conhecimento” da doença, considerada epidemiológica, altamente contagiosa e que exigiu uma abordagem “totalmente diferente” das já conhecidas, mas que entretanto após um ano, defendeu, a classe médica “aprendeu muito e houve uma resposta razoável”, concluiu.

CS/JMV
Inforpress/JMV

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos