Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Banco Mundial revê em baixa crescimento da economia mundial para 4,1% este ano

Washington, 11 Jan (Inforpress) – O Banco Mundial (BM) reviu hoje em baixa o crescimento da economia mundial, para 4,1% este ano, desacelerando da forte retoma de 5,5% em 2021, e melhorou as previsões para 3,2% em 2023.

De acordo com o relatório “Perspectivas Económicas Globais”, divulgado hoje, o desacelerar ao longo do horizonte de projecção reflecte o dissipar da procura reprimida e a retirada dos apoios orçamentais e monetários a nível global.

A instituição com sede em Washington cortou assim ligeiramente as perspectivas de crescimento face aos 5,6% para 2021 previstos no relatório de Junho, bem como aos 4,3% projectados para 2022. Por outro lado, melhorou em 0,1 pontos percentuais a projecção para 2023 face aos 3,1% previstos anteriormente.

Depois da forte recuperação em 2021, o BM explica que o crescimento da economia global está a entrar numa “desaceleração acentuada” face a novas ameaças das variantes da covid-19 e a um aumento da inflação, dívida e desigualdade de rendimentos.

No relatório, alerta que estes riscos podem colocar em causa a recuperação das economias emergentes e em desenvolvimento.

“A economia mundial está a enfrentar simultaneamente a covid-19, a inflação e a incerteza política, com gastos governamentais e políticas monetárias em território desconhecido. O aumento da desigualdade e os desafios de segurança são particularmente prejudiciais para os países em desenvolvimento”, disse o presidente do Grupo Banco Mundial, David Malpass, em comunicado.

Segundo o responsável, “colocar mais países num caminho de crescimento favorável requer uma acção internacional concertada e um conjunto abrangente de respostas políticas nacionais”, acrescentou.

O BM adverte que a rápida disseminação da variante Ómicron indica que a pandemia provavelmente irá continuar a ter um impacto negativo na actividade económica no curto prazo. Além disso, uma desaceleração notória nas principais economias – incluindo os Estados Unidos e a China – irá ter impacto na procura externa nas economias emergentes e em desenvolvimento.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos