Banco Mundial financia formação a 100 jovens de Santo Antão

Ponta do Sol, 07 Out (Inforpress) — Cerca de 100 jovens dos três concelhos de Santo Antão – Porto Novo, Ribeira Grande e Paul – vão iniciar, a partir da próxima segunda-feira, 11, cursos no centro de emprego e formação profissional de Santo Antão.

Em declarações à imprensa o responsável do centro de emprego e formação profissional de Santo Antão (CEFP-SA), Dirceu Rocha disse que as cinco ofertas formativas serão “oferecidas” aos jovens de forma “grátis”.

Isso porque segundo a mesma fonte as formações foram financiadas pelo Governo através do Fundo de Promoção de Emprego e Formação como o apoio do Banco Mundial em cerca de 10 mil contos.

“Mesmo com poucos técnicos a equipa do CEFP-SA conseguiu fazer um grande trabalho, onde elaboramos dois projectos uma medida dois e outra medida quatro”, explicou Dirceu Rocha.

Desses dois projectos o director do CEFP-SA enfatizou que a maior “fatia do bolo” ficou para a medida quatro que abrange três das cinco formações. É que, conforme Dirceu Rocha além de financiar a “totalidade” dos custos da formação, ainda tem outra vertente que é de reforço de competências que serve para adquirir equipamentos para ministrar as formações.

Segundo Dirceu Rocha, a selecção dos formandos foi feita de forma “minuciosa” através do “balanço de competência” e entrevista.

“Houve a necessidade de analisar se, de facto, os formandos querem fazer a formação e vêem no curso um ponto de partida para organizar as suas vidas. Por isso tentamos descartar as pessoas que muitas vezes querem fazer formação e não tem uma motivação real para tal”, salientou.

Dirceu Rocha elucidou ainda que as formações foram distribuídas da seguinte forma: “nos concelhos do Porto Novo e Paul serão ministradas duas formações, uma de canalização instalação predial e cozinha. Já na Ribeira Grande teremos também canalização instalação predial, instalação e manutenção de equipamentos informáticos e telecomunicações”.

Por sua vez, o formando, Sandro Fernandes disse que, durante a formação, almeja adquirir conhecimentos na área da cozinha porque desde pequeno tem um sonho de ser cozinheiro.

“Meu pai é cozinheiro de profissão e quero dar continuidade ao trabalho dele e ser um bom cozinheiro reconhecido a nível da minha ilha, país e quiçá o mundo”, acentuou Sandro Fernandes.

LFS/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos