Search
Generic filters
Filter by Categories
Ambiente
Cooperação
Cultura
Economia
Internacional
Desporto
Politica
Sociedade

Banco de Cabo Verde prevê para 2017 crescimento económico inferior a 2016

 

Cidade da Praia, 23 Jun (Inforpress) – O Banco de Cabo Verde prevê para 2017 um crescimento económico menor do que os 3,9% registados no ano passado, segundo as perspectivas de evolução de riscos constantes do relatório de Estabilidade Financeira 2016, hoje divulgado.

“As previsões do Banco de Cabo Verde (BCV), embora realizadas numa conjuntura de incertezas, sugerem um nível da actividade económica em 2017 inferior ao registado no ano anterior, devendo o crescimento económico aproximar-se do limite inferior do intervalo 3,0 a 4,0%”, adianta o relatório.

As projecções do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontam para 2017 uma conjuntura económica global “relativamente estável” para as economias dos países emergentes e em desenvolvimento, devendo a economia da zona Euro, principal parceiro económico de Cabo Verde, “manter a trajectória de modesta recuperação”.

As previsões do banco central antecipam melhorias no mercado de trabalho relacionadas com o “aumento dos investimentos privados e da formação bruta de capital fixo privado, sustentada por projectos de investimento externo”.

Por outro lado, segundo o BCV, é esperada uma redução dos investimentos públicos.

O nível de preços deverá manter-se contido, situando-se num intervalo entre zero e 1%.

O BCV projecta a recuperação do sector da construção civil e antecipa “desempenhos favoráveis” dos sectores do alojamento e restauração, da indústria transformadora e do comércio.

O défice comercial deverá aumentar tal como o défice corrente, no entanto a balança de pagamentos deverá manter o superavit, com o crescimento das reservas externas a garantir acima de seis meses de importações de bens e serviços.

“Deste modo, os riscos à estabilidade do sistema financeiro relacionados com o contexto macroeconómico e financeiro são descendentes e deverão manter-se contidos”, adianta o relatório.

“A previsão do crescimento do crédito à economia em torno 3%, a necessidade de contínuo saneamento do balanço dos bancos, a melhoria da confiança dos agentes económicos e o co-financiamento de empreendimentos turísticos de promotores estrangeiros, deverão favorecer a redução das restrições ao financiamento”, acrescenta.

O financiamento bancário permanece concentrado face a um número restrito de depositantes, situação que, segundo o BCV, se deverá manter “no curto e médio prazo, pelo que, não se espera que os riscos associados à estrutura do sector bancário venham a agravar-se”.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos