Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Banco da Cultura/Relatório: Abraão Vicente rebate declarações de Mário Lúcio Sousa

 

Cidade da Praia, 10 Mai (Inforpress) – O ministro Abraão Vicente contraria as declarações do seu antecessor quanto ao relatório do Banco da Cultura, dizendo que o documento não aborda a “má fé” no exercício da sua governação, mas os procedimentos e gestão da coisa pública.

O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas reagia hoje às declarações de Mário Lúcio Sousa, que diz estar de “consciência tranquila” porque o relatório não detectou “indícios de corrupção” e nem “gestão de má fé” durante o seu mandato à frente do então Ministério da Cultura.

“Todo o dinheiro do Banco da Cultura está lá e não há indícios de corrupção e nem gestão de má fé”, disse Mário Lúcio Sousa, acrescentando que o relatório deixou “claro e bonito”, que não falta “um único cêntimo” do Banco da Cultura.

Por seu turno, o actual governante considerou que “quem lê o relatório vê exatamente o contrário daquilo que ele [Mário Lúcio Sousa] disse”, e realça que no documento “não só há graves irregularidades”, mas também, uma dívida de cerca de 18 mil contos dos artistas e dos que receberam crédito do Banco da Cultura.

“Uma das conclusões e analises é que houve o não respeito pelas regras de bancarização do sistema de financiamento e do uso do dinheiro público, o que está na primeira página do relatório”, realçou, sublinhado que é “inútil” querer contar uma outra versão a partir de uma tentativa de “pessoalizar”.

Abrão Vicente afirma “não querer polémica” à volta deste assunto, mas exorta todos os cabo-verdianos a lerem o relatório disponível no site do Ministério das Finanças, para tirarem as próprias ilações.

O relatório, que foi tornado público na semana passada pelo Ministério das Finanças, diz que cerca de 88 por cento (%) dos pagamentos efectuados pelo Banco da Cultura foram destinados às despesas e financiamento de projectos sem doptação orçamental específica.

O relatório fala ainda sobre um sistema de controlo interno existente no Fundo Autónomo de Apoio à Cultura (FAAC) – Banco da Cultura “deficiente”, tendo em conta que existem várias “ineficiências” no cumprimento do regime jurídico dos fundos autónomos dos seus estatutos.

A auditoria financeira ao Fundo Autónomo de Apoio à Cultura – Banco da Cultura teve como objectivo a verificação da regularidade e da boa gestão dos recursos públicos do banco, sob a gestão do conselho de administração no período de 2013 até 23 de Maio de 2016.

AF/ZS

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos