Autárquicas 2020/São Vicente: UCID defende política de cedência de material de construção sob o controlo apertado da CMSV

Mindelo, 21 Out (Inforpress) – O candidato da UCID à presidência da câmara de São Vicente, António Monteiro, defendeu hoje uma política de cedência de material de construção com o controlo apertado da câmara, para melhorar as habitações degradadas.

António Monteiro fez essas declarações ao fazer um retrato da zona de Espia/Fonte Inês onde esteve hoje em contactos porta-a-porta.

Segundo o candidato da UCID, Espia é uma zona que tem “várias carências e onde as pessoas precisam de quase tudo”.

A primeira carência, sustentou, tem a ver com o desemprego, por isso, afirmou que é preciso criar uma dinâmica económica própria para criar as condições para dar as pessoas chances de terem emprego.

Nessa zona, segundo António Monteiro, há também “problemas habitacionais, há muitas casas de tambor, localidades que precisam de calcetamento, casas que não tem acesso a água, redes de esgoto, problemas com iluminação pública e falta de espaço verde”.

Não obstante isso, sustentou, “a câmara tem tido uma postura quase que isenta” relativamente a esses problemas., defendendo que “não se deve ficar à espera da construção de casas sociais para resolver os problemas das pessoas que correm perigo nas suas habitações”.

“Entendemos que o orçamento da câmara é um orçamento que tem espaço suficiente para termos uma política de cedência de material de construção sob o controlo apertado da câmara para as pessoas poderem melhorar as suas habitações” propôs António Monteiro, que sugeriu a utilização de “novas tecnologias e novos materiais” para resolver o problema das casas de lata.

Outra proposta de António Monteiro é firmar uma parceria entre a câmara e o Governo para que a Câmara Municipal de São Vicente possa dar formação profissional aos jovens, sem necessidade de pagar propinas.

“A câmara tem mais recursos e vamos cuidar da formação profissional. Vamos alargá-la para dar às pessoas maior oportunidade não exigindo o pagamento de propinas porque se exigimos o pagamento de propinas continuaremos a ter uma situação que temos hoje”, afiançou o candidato da UCID.

Para além de António Monteiro (UCID) concorrem ao cargo de presidente da câmara de São Vicente Augusto Neves (MpD), Albertino Graça (PAICV) e Nelson Lopes (Movimento Mas Soncent).

Nas autárquicas de 2016, em São Vicente, concorreram Augusto Neves, pelo MpD, que teve maioria absoluta na câmara com 48,97 por cento (%) dos votos, António Monteiro (UCID), que conseguiu 28,28%, e Alcides Graça (PAICV) que teve 20,75%.

Em São Vicente, para as eleições do dia 25 de Outubro, estão inscritos 52.509 eleitores (mais 707 em relação ao escrutínio de 2016), distribuídos por 192 mesas de voto.

Participa na corrida um total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (um no município da Praia e um para Assembleia Municipal na Boa Vista), e mais 12 candidatos independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (um), de Santa Catarina (um), São Domingos (um), Tarrafal de São Nicolau (um), Sal (um) Tarrafal de Santiago (dois), Praia (quatro), São Vicente (um).

CD/DR

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos