Autárquicas 2020/São Vicente: Nelson Lopes acusa partidos de “falta de coragem” para lutar pela autonomia da ilha

Mindelo, 17 Out (Inforpress) – O candidato do Movimento Mas Soncente acusou os partidos políticos de “falta de coragem” para lutarem pela autonomia de São Vicente, e prometeu iniciar a “luta pela autonomia” dentro do próprio movimento.

Na zona de Cruz de João Évora, que visitou na tarde de sexta-feira, 16, Nelson Lopes pediu à população para se juntar ao seu movimento, se deseja ver São Vicente “num outro patamar de desenvolvimento, e autónomo”.

A um jovem, com quem conversou demoradamente, lançou: “imagina que até para fazer uma carta de condução as pessoas têm que esperar três meses para ter o documento, porque tudo tem que vir da Praia”.

“É desesperante e é preciso acabar com esta dependência, precisamos dizer chega, e começar a trabalhar para a autonomia da ilha, pois, assim como está, São Vicente não vai a lado nenhum”, concretizou o candidato a presidente da câmara de São Vicente.

Nelson Lopes foi mais longe a acusou o poder central de sufocar a ilha de São Vicente.

Perguntado o que uma câmara pode fazer para trazer mais autonomia a São Vicente, o candidato do Mas Soncent disse que tem que ser uma voz activa.

“Até hoje, os presidentes de câmara que a ilha teve não têm falado verdadeiramente para defender os interesses de São Vicente, e a autonomia é necessária”, precisou, ao mesmo tempo que lançou a proposta, caso seja eleito, da criação de um gabinete para analisar e discutir o tema, e ver até onde a ilha pode ir na questão da autonomia.

“Como está não pode continuar e este é o momento, a partir do dia 25, vamos ter na câmara uma equipa que vai discutir por São Vicente, que vai dar voz e vez à população e a autonomia vai ser uma bandeira”, concluiu.

Durante o dia de hoje, o Movimento Mas Soncent faz acção de campanha eleitoral porta-a-porta nas zonas de Alto Miramar, Alto São Nicolau, centro da cidade, Forca, Alto Santo António, Alto Solarine e Fonte Cónego.

Para além de Nelson Lopes (Movimento Mas Soncent), concorrem ao cargo de presidente da câmara de São Vicente Albertino Graça (PAICV), António Monteiro (UCID) e Augusto Neves (MpD).

Nas autárquicas de 2016, em São Vicente, concorreram Augusto Neves, pelo MpD, que teve maioria absoluta na câmara com 48,97 por cento (%) dos votos, António Monteiro (UCID), que conseguiu 28,28%, e Alcides Graça (PAICV) que teve 20,75%.

Em São Vicente, para as eleições do dia 25 de Outubro, estão inscritos 52.686 eleitores (mais 884 em relação ao escrutínio de 2016), dos quais 177 cidadãos estrangeiros, distribuídos por 142 mesas de voto.

A nível nacional participa na corrida o total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (um no município da Praia e um para Assembleia Municipal na Boa Vista) e mais 12 candidatos independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (1), de Santa Catarina (1), São Domingos (1), Tarrafal de São Nicolau (1), Sal (1) Tarrafal de Santiago (2), Praia (4) e São Vicente (1).

AA/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos