Autárquicas 2020/São Miguel: PAICV acusa MpD de fazer uma gestão preocupada somente com ruas de frente

Calheta 16 Out (Inforpress) – O candidato do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição) em São Miguel acusa a candidatura adversária, que esteve à frente do município de 2016 a 2020, de fazer uma gestão preocupada mais com as “ruas de frente”.

João Carvalho, que esta quinta-feira centrou as suas actividades na localidade de Achada Bolanha, para mais uma acção de campanha, aproveitou não só para contactar a população, mas também para mostrar aos jornalistas as “ruas esquecidas” pela gestão camarária cessante, liderada pelo MpD (poder).

“Achada Bolanha, à semelhança de todas as outras localidades de São Miguel, foi esquecida. É um esquecimento em vários níveis, desde arruamentos. É uma gestão da câmara que preocupa mais com ruas de frente e, como estão a reparar aqui, as ruas de trás que não lhes interessa, está assim desse jeito, totalmente abandonadas”, criticou.

Nesta localidade, informou, ainda é preciso arruamento, as famílias precisam de casas de banho, precisam de apoio para a recuperação das suas casas, e a juventude precisa de espaço de lazer.

João Carvalho lembrou que há um compromisso da anterior câmara para a construção de um campo para Bolanha, que até hoje não foi feito, e o jardim-infantil, cujo tecto está degradado, foi também abandonado.

É com base nesses compromissos que a equipa adversária não fez no primeiro mandato que João Carvalho estriba para prometer mais investimento nesta zona em todos os domínios, no sentido de dar maior qualidade de vida a todas as famílias de São Miguel.

“Reparamos que do outro lado (equipa adversária) há um certo desespero, porque neste momento estão a chegar gente de todo o lado para os ajudar. Veio o ministro da Defesa e todo o Governo para dar um empurrão a ajudá-los a alcançar o topo da subida, mas nós andamos a pé e de todas as formas para podermos chegar junto da população, para passar essa mensagem de “Por São Miguel com Amor” para que no dia 25 possamos mudar o rumo de São Miguel”, assegurou.

Conforme sublinhou, “é preciso pensar em São Miguel para todos e não somente para os amigos”, visto que os dados do INE demonstram que o nível de pobreza neste município é enorme.

Para baixar esse nível, questionou, se a melhor decisão é retirar todos os pobres deste concelho e colocar os ricos ou é a edilidade a ajudar essas pessoas a terem mais dignidade e um pouco mais de empoderamento. Sublinhou que para o PAICV a melhor escolha é a segunda opção.

Nas eleições de 2016, as sétimas realizadas em Cabo Verde para escolha dos titulares dos órgãos municipais, concorreram, em São Miguel, três candidatos, tendo o MpD (Herménio Fernandes) conquistado a câmara com 4.146 votos (69,35%), o PAICV (Carla Carvalho) alcançado 1.518 votos (25,39%) e o PP (Alberto Correia) 125 votos (2,09%).

Para as eleições autárquicas de 25 de Outubro, em São Miguel, estão inscritos 10.218 eleitores (em 2016 o número de inscritos era de 9.468, dos quais 5.978 votaram).

A nível nacional, participa na corrida um total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (1 no município da Praia e 1 para Assembleia Municipal na Boa Vista), e mais 12 candidatos independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (1), de Santa Catarina (1), São Domingos (1), Tarrafal de São Nicolau (1), Sal (1) Tarrafal de Santiago (2), Praia (4) e São Vicente (1).

AM/FP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos