Autárquicas 2020/Sal: Ribeira Funda quer mudanças e as pessoas sentem-se esquecidas, grupo Independente

Espargos, 16 Out (Inforpress) – A candidatura do grupo Independente Sociedade em Acção para a Liberdade, continua com as suas visitas às comunidades e, desta vez, a atenção se estendeu às artérias da localidade dos Espargos, centrando-se em Ribeira Funda.

Em conversa com a Inforpress, a mandatária e candidata a vereadora na Câmara Municipal do Sal, nas eleições de 25 de Outubro, Divânia Fortes, destacou a forma como foram recebidos esta quinta-feira em Ribeira Funda, sobretudo pela camada jovem, e confessou estar deveras preocupada com o nível de abandono que as diversas gestões camarárias deixaram aquela zona.

“Foi uma visita serena. Circulamos várias ruas de Ribeira Funda e fomos muito bem recebidos. Os mais velhos receberam-nos de coração aberto. Então, é um sentimento incrível a forma como interagem connosco, sobretudo os jovens. Dizem esquecidos pelas autoridades e cansados de ver calçadas antigas”, desabafa Divânia Fortes, que vê a sua candidatura como uma “nuvem de esperança” para esta comunidade.

Para esta jovem, esta abertura total ao diálogo é uma prova evidente de que às pessoas estão com “sede de mudança eminente”, e precisam de inspiração para não perderem às esperanças.

“É excelente a forma como olham para nós, como convivem connosco e trocam as suas ideias e preocupações. Temos percebido isto, também, que há muita gente capaz que precisa de ser escutada e querem partilhar as suas visões de desenvolvimento. Isto quer dizer que encontram em nós uma voz comum e é um alinhamento total às nossas ideologias”, sustentou.

Atitudes como estas, na óptica da Divânia Fortes, é um forte índice de que fez a escolha certa em apostar nesta candidatura, pois, segundo afirmou, também sentiu a necessidade de ser escutada ao perceber que existe na ilha vários aspetos a carecer de atenção e desenvolvimento.

“A nossa luta é direccionada em vários focos: habitação, família, juventude, mulher, justiça, liberdade. Tudo isso está directamente relacionado com a minha realidade e a de todos que vivem nesta ilha. A acção faz-se necessário e é uma das razões da existência desta iniciativa, por isso, senti que estou apta e capaz de dar a minha contribuição, embora consciente do quão grande é a responsabilidade”, sublinhou.

Na ilha do Sal, concorrem à presidência da câmara, Albertino Mosso, apoiado pelo PAICV, o grupo Independente – Sociedade em Acção para a Liberdade -, encabeçado por Adirley Gomes, e o Movimento para a Democracia (MpD), liderado por Júlio Lopes.

Nas autárquicas de 2016, na ilha do Sal concorreram quatro candidatos, sendo Júlio Lopes (MpD), que ganhou a câmara com 50,88% dos votos, Démis Lobo (PAICV) que obteve 43,58% dos votos, Jorge Rocha (UCID) 2,82%, e Paulo Jorge Lopes (PSD) 0,34%.

Para as eleições do dia 25 de Outubro, na ilha do Sal, estão inscritos nos cadernos eleitorais 18.701 eleitores (em 2016 o número de inscritos era de 16.744, dos quais 9.633 votaram) distribuídos por 67 mesas de voto.

Participa na corrida um total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (um no município da Praia e um para Assembleia Municipal na Boa Vista), e mais 12 candidatos independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (um), de Santa Catarina (um), São Domingos (um), Tarrafal de São Nicolau (um), Sal (um) Tarrafal de Santiago (dois), Praia (quatro), São Vicente (um).

AR/DR

Inforpress/Fim

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos