Autárquicas 2020/Sal: PAICV encara inclusão social e igualdade de oportunidades como principal desafio a vencer

Espargos, 17 Out (Inforpress) – A candidatura do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) encara a inclusão social e igualdade de oportunidades como principal desafio a vencer, nos próximos tempos, caso for governo no município do Sal.

Ofélia Monteiro, número dois da lista do partido da “estrela negra” falava numa das actividades de campanha, sobre inclusão social e igualdade de oportunidades, estribada na respectiva plataforma eleitoral.

A candidata a vereadora sustenta esta ambição observando que a reduzida dimensão da ilha, com uma população ainda inferior a 35 mil habitantes, é um factor facilitador da mobilização “necessária” para o debelar deste problema.

Segundo Ofélia Monteiro, esta realidade, antes focada em zonas de barracas como Alto São, Alto Santa Cruz e Terra Boa estende-se agora para novos polos habitacionais espontâneos, e requer uma nova abordagem.

“Para reduzir o acentuado fosso social, apresentamos um leque de políticas públicas inclusivas, implicando todos e descentralizando as respostas e a gestão dos projectos para associações e estruturas de proximidade, lá onde podem fazer melhor e mais prontamente”, gizou.

Ainda, neste domínio, a candidatura do PAICV, liderada por Albertino Mosso, sob o slogan “Respostas ousadas com Tino” pretende dar uma “atenção particular“ aos imigrantes que se estabeleceram no Sal e contribuem para o desenvolvimento da ilha, destacando-se, entre eles, os oriundos da Comunidade Económica dos Países da África Ocidental (CEDEAO).

Neste domínio, Ofélia Monteiro referiu que as propostas acentuam-se na instituição de um gabinete apoio ao imigrante, onde os membros das comunidades integradas terão acesso a apoio social administrativo e jurídico, apoiar os imigrantes na instrução dos processos e na obtenção da documentação que assegura a sua residência de modo legal na ilha, entre outros cuidados.

“A inclusão social e igualdade de oportunidades constituem principal desafio a vencer. Podemos sim mudar esse quadro, contado com a boa colaboração entre o poder local e o poder central”, enfatizou, concluindo.

Na ilha do Sal, concorrem para estas eleições autárquicas, Albertino Mosso, apoiado pelo PAICV, o grupo Independente – Sociedade em Acção para a Liberdade -, encabeçado por Adirley Gomes, e o Movimento para a Democracia (MpD), liderado por Júlio Lopes.

Nas autárquicas de 2016, na ilha do Sal concorreram quatro candidatos, sendo Júlio Lopes (MpD), que ganhou a câmara com 50,88% dos votos, Démis Lobo (PAICV) que obteve 43,58%, Jorge Rocha (UCID) 2,82%, e Paulo Jorge Lopes (PSD) 0,34%.

Para as eleições do dia 25 de Outubro, na ilha do Sal, estão inscritos 18.710 eleitores (em 2016 o número de inscritos era de 16.744, dos quais 9.633 votaram) distribuídos por 67 mesas de voto.

A nível nacional, participa na corrida um total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (um no município da Praia e um para Assembleia Municipal na Boa Vista), e mais 12 candidatos independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (1), de Santa Catarina (1), São Domingos (1), Tarrafal de São Nicolau (1), Sal (1) Tarrafal de Santiago (2), Praia (quatro) e São Vicente (1).

SC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos