Autárquicas 2020/Sal: “Fonte Riba deveria servir de exemplo para que erros de urbanização não fossem repetidos” – Grupo Independente

Espargos, 19 Out (Inforpress) – A iniciativa Independente Sociedade em Acção para a Liberdade para as eleições autárquicas de 25 de Outubro, revisitou domingo, 18, a localidade da Palmeira, com um olhar em Fonte Riba.

Aldirley Gomes, cabeça de lista do grupo Independente, disse à Inforpress que esta jovem localidade deveria servir de exemplo para que erros cometidos em termos de urbanização e construção não se repetissem.

“Esta localidade precisa de uma atenção especial. Praticamente assisti-a a nascer. Na época, num dos mandados de Jorge Figueiredo, quem a validou para ser investida. Então, é sempre uma grande satisfação ter testemunhos destes, mas seria mais satisfatório ainda, se estivessem a aproveitar desta fase para evitar cometer os mesmos erros cometidos em outras zonas”, sustentou.

Aldirley Gomes visualiza um “tecido urbano extremamente cinzento”, sem, segundo, disse, integração com a natureza, sem espaçamento entre as habitações e lotes de terrenos, o que deixa claro, não existir uma ruptura nos paradigmas tradicionalistas ao nível das urbanizações e construções feitas nesta ilha.

“As construções não são pensadas para respirar a natureza. Infelizmente não temos constatado este pensamento alinhado para o desenvolvimento e criar rupturas com os paradigmas que têm sido direccionados constantemente para o mesmo ponto, construções e urbanizações mal desenhadas”, argumenta.

Mas, os problemas de Fonte Riba, não ficam por aqui, de acordo com este candidato, que questiona, como ser possível que esta localidade sobreviva com dois tanques de duas toneladas de água, se existe um ponto de água há menos de cem metros.

Do seu ponto de vista, este bem necessário, há muito que deveria estar em casa das pessoas, através do sistema de tubagem colocado antes de iniciar os arruamentos.

“Continuam, de novo, a cometer os mesmos erros. Iniciaram os arruamentos, mas depois, quando for necessário meter as tubagens de água, vão levantar toda a estrada feita. Ou seja, erros em cima de erros, mais uma vez por conta da demagogia e do populismo. Não há um trabalho de facto de tirar os problemas de frente e resolver as necessidades básicas das pessoas”, desabafa decepcionado.

Além de Aldirley Gomes do grupo Independente – Sociedade em Acção para a Liberdade -, na ilha do Sal, concorrem para estas eleições autárquicas, Albertino Mosso, apoiado pelo PAICV, e o Movimento para a Democracia (MpD), liderado por Júlio Lopes.

Nas autárquicas de 2016, na ilha do Sal concorreram quatro candidatos, sendo Júlio Lopes (MpD), que ganhou a câmara com 50,88% dos votos, Démis Lobo (PAICV) que obteve 43,58% dos votos, Jorge Rocha (UCID) 2,82%, e Paulo Jorge Lopes (PSD) 0,34%.

Para as eleições do dia 25 de Outubro, na ilha do Sal, estão inscritos nos cadernos eleitorais 18.710 eleitores (em 2016 o número de inscritos era de 16.744, dos quais 9.633 votaram) distribuídos por 67 mesas de voto.

A nível nacional, participa na corrida um total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (um no município da Praia e um para Assembleia Municipal na Boa Vista) e mais 12 candidatos independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (1), de Santa Catarina (1), São Domingos (1), Tarrafal de São Nicolau (1), Sal (1) Tarrafal de Santiago (2), Praia (4), São Vicente (1).

AR/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos