Autárquicas 2020/Sal: “Estamos cansados de sopa de pedra, queremos oportunidade e abundância para a ilha”, defendem jovens

Espargos, 23 Out (Inforpress) – A actual governação municipal não tem investido nos sectores-chave para melhorar a economia turística local, defendem jovens simpatizantes do grupo Independente Sociedade em Acção, almejando novos ventos à ilha mais turística do país.

Roniro Barros, conhecido por “Vadis Ta na Grelha”, disse à Inforpress que procurou o grupo Independente Sociedade em Acção para expressar o seu agrado e apoio e, inclusive produzir a música da campanha, por aflorar nos jovens uma nova esperança.

“Com este grupo sinto ter a liberdade de expressão, de pensamento e de escolha.  Sinto-me feliz por apoiar, porque a visão e iniciativa que apresenta é o que os jovens precisam e deveriam ter. ‘Mim é Sal, Nôs é Sal’! Com a força de cada um, juntos vamos conseguir trazer e mostrar que é possível ter abundância nesta ilha”, desabafou este jovem músico que considera este sector uma das parentes mais pobres da sociedade, agora despencada e desacreditada com a pandemia da covid-19.

Vadis diz ver nesta iniciativa a esperança perdida por conta do lema – “oportunidade e abundância”, visto que “actualmente tornamos sobreviventes, oportunidades para jovens é nula, muito menos para os jovens artistas. Então, esta nova visão inspirou-me. Tal como digo nesta música, estamos cansados de sopa de pedra”, subscreve.

Outro jovem que diz estar desejoso de dias melhores para o Sal, sobretudo no sector turístico, é Luciano Faria, guia de turismo e candidato a vereador que define como tarefa primordial, a conquista do espaço merecido no mercado turístico e nacional aos guias e pequenos investidores, que, a seu ver, estão “totalmente excluídos e à deriva”.

“A nossa luta é ganhar o nosso espaço no sector turístico, porque estamos sempre à margem da economia. Nunca somos escutados e nunca resolvem os nossos problemas e dificuldades. Vivemos excluídos, e cheios de obstáculos mesmo sabendo da importância e do poder que os pequenos operadores têm na potencialização da economia nacional”, recordou.

Na visão desse jovem é preciso melhorar a oferta turística através da potencialização do produto nacional, e sobretudo, que o município seja capaz de fazer investimentos que resgate a riqueza existente em todos os cantos da ilha, e sobretudo preservar a identidade cultural e nacional, e assim, oferecer ao visitante o que existe de genuíno e não o estrangeiro.

Além de Aldirley Gomes do grupo Independente – Sociedade em Acção para a Liberdade, na ilha do Sal, concorrem Albertino Mosso, apoiado pelo PAICV e o Movimento para a Democracia (MpD), liderado por Júlio Lopes.

Nas autárquicas de 2016, neste município concorreram quatro candidatos, sendo Júlio Lopes (MpD), que ganhou a câmara com 50,88% dos votos, Démis Lobo (PAICV) que obteve 43,58% dos votos, Jorge Rocha (UCID) 2,82%, e Paulo Jorge Lopes (PSD) 0,34%.

Para as eleições de 25 de Outubro, no Sal, estão inscritos nos cadernos eleitorais 18.701 eleitores (em 2016 o número de inscritos era de 16.744, dos quais 9.633 votaram) distribuídos por 67 mesas de voto.

A nível nacional, participa na corrida um total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (um no município da Praia e um para Assembleia Municipal na Boa Vista) e mais 12 candidatos independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (1), de Santa Catarina (1), São Domingos (1), Tarrafal de São Nicolau (1), Sal (1) Tarrafal (2), Praia (4) e São Vicente (1).

AR/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos