Autárquicas 2020: Primeira-dama pede às pessoas para irem votar no dia 25 de Outubro

Cidade da Praia, 21 Out (Inforpress) – A primeira-dama de Cabo Verde, Lígia Fonseca, apelou esta terça-feira ao voto nas eleições autárquicas de domingo, afirmando que a abstenção representa uma renúncia ao poder que as pessoas têm para decidir.

Em declarações exclusivas à Inforpress, Lígia Fonseca certificou que a melhor forma de exercer a cidadania é as pessoas irem votar no dia 25 de Outubro.

“Nós estamos a viver momentos a nível mundial muito difíceis, causados pela pandemia, causados por alguma descrença na organização política existente, então, a forma de nós cidadão assumirmos o nosso poder é no dia 25 de Outubro irmos votar”, referiu.

Lígia Fonseca ressaltou que a abstenção é uma renúncia e uma negação do poder que as pessoas têm de decidir e, por isso, afirmou que o apelo que gostaria de deixar e insistir é que toda a gente, todos os maiores de 18 e recenseados, não fiquem em casa.

“Que saiam com as devidas cautelas que temos de ter hoje para ir votar. Não há nada que impeça a nossa possibilidade de irmos votar. Porque se nós queremos melhorar o estado das coisas, se nós cidadão queremos que a nossa voz seja ouvida, o momento é este, de eleições”, apelou.

“Não vamos deixar que outros decidam por nós”, exclamou a primeira-dama, pedindo que cada um oiça os projectos, conheça os candidatos, os partidos ou o grupos e depois decidir no melhor projecto para si.

E mesmo que nenhuma das propostas apresentadas merece a sua grande confiança, “o facto de ir votar e votar em branco é uma forma de expressar o nosso descontentamento”, ressaltou.

Para Lígia Fonseca, quando não se vai votar, ninguém saberá se foi por preguiça, desleixo ou por descontentamento.

“Mas quando for votar e voto em branco, eu estou a manifestar o meu desacordo com tudo o que me é apresentado, e isto tem um valor muito importante na análise política que se faz do fenómeno destas eleições que vão ocorrer no próximo domingo. Só há vantagens em votar”, acrescentou.

A primeira-dama disse ainda discordar de quem escolhe o não votar como uma forma de protesto.

“É uma forma de protesto, na minha perspectiva, que não indica o que se quer. Isto mostra desinteresse pelo país, pelo seu concelho, pela sua comunidade. Quem está desinteressado não tem direito de reclamar nem de exigir nada, porque no momento em que tinha que decidir, optou por ficar em casa”, finalizou.

Os cabo-verdianos vão às urnas neste domingo, 25 de Outubro, para escolher os órgãos autárquicos que irão governar os 22 municípios nos próximos quatro anos.

A nível nacional, participam nestas eleições um total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (um no município da Praia e um para Assembleia Municipal na Boa Vista) e mais 12 candidatos independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (1), de Santa Catarina (1), São Domingos (1), Tarrafal de São Nicolau (1), Sal (1) Tarrafal (2), Praia (4) e São Vicente (1).

GSF/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos