Autárquicas 2020/Brava:  MpD convicto numa “vitória expressiva” no domingo

Nova Sintra, 23 Out (Inforpress) – O candidato do Movimento para a Democracia (MpD) à Câmara Municipal da Brava diz ter motivos para acreditar numa “vitória expressiva” da sua equipa, enfatizando à confiança e o apoio que o eleitorado tem demonstrado.

Francisco Tavares diz estar “muito satisfeito” com a forma como a campanha decorreu, demonstrando-se também “muito animado em relação a vitória expressiva” no domingo.

“Considerando o que o eleitorado nos disse em todas as zonas ao demonstrarmos o que fizemos no mandato anterior, o que ainda está por fazer e quais os projectos, totalmente novos, para o novo mandato, considero que a receptividade foi muito boa”, avançou o candidato.

Segundo a mesma fonte, foi possível ver que as pessoas “estão conscientes” daquilo que fizeram no mandato passado, demonstrando que “cofiem nesta equipa e o desejo da equipa continuar para poder materializar os novos projectos apresentados”.

A candidatura termina hoje às suas acções de campanha com um desfile Vila Nova Sintra – Furna, onde Francisco Tavares explicou que estão a passar uma mensagem de “confiança” e de que as pessoas “devem manter-se focadas” apenas naquilo que lhes interessa, os projectos para a Brava.

Sendo assim, aproveitou para apelar o eleitorado para que no domingo, ninguém fique em casa pelo facto da covid-19, pedindo que sejam tomadas todas as medidas de prevenção, elencando o uso da máscara, distanciamento social e o uso do álcool gel.

Assim, garantiu que “as eleições vão decorrer com um grau de segurança muito grande”, realçando que “covid-19 na Brava não é motivo para não ir às urnas”.

Entretanto, frisou que na ilha haverá uma “abstenção fictícia”, salientando que “o caderno total eleitoral da Brava não pode ser uma realidade”.

“A ilha não pode ter 5.500 habitante e ter quase 4.700 eleitores, sabendo que somente no jardim infantil, ensino básico e ensino secundário com menos de 18 anos, rondam os 2000”, apontou Francisco Tavares.

Daí, realçou que o caderno eleitoral da ilha necessita de uma “peneiração profunda”, porque há pessoas que já emigraram, mas que ainda permanecem no caderno eleitoral da Brava, o que acaba por configurar uma abstenção elevada, que, na prática não é tanto assim.

Para além do MpD, liderado por Francisco Tavares, concorre para as eleições dos órgãos autárquicos na Brava a lista do PAICV, encabeçada por Clóvis Silva.

Para as eleições autárquicas de 25 de Outubro, na Brava, estão inscritos 4.683 eleitores, incluindo estrangeiros, distribuídos por 26 mesas de assembleias de voto (em 2016 o número de inscritos era de 4.435, dos quais apenas 2.836 votaram).

Nas eleições de 2016, as sétimas realizadas em Cabo Verde para escolha dos titulares dos órgãos municipais, concorreram neste concelho, o MpD (Orlando Balla), que conquistou a câmara com 1.673 votos (58,99%), e o PAICV (Manuel Gomes) 1.111 votos (39,17%).

A nível nacional, participa na corrida um total de 65 candidatos, sendo 22 do MpD, 22 do PAICV, sete da UCID, dois do PP (um no município da Praia e um para Assembleia Municipal na Boa Vista) e mais 12 independentes que disputam as câmaras municipais da Ribeira Grande (1), de Santa Catarina (1), São Domingos (1), Tarrafal de São Nicolau (1), Sal (1) Tarrafal (dois), Praia (4) e São Vicente (1).

MC/CP

Inforpress/ Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos