Autarquia da Praia quer contribuir para melhorar o ambiente global de negócios em Cabo Verde – presidente

 

Cidade da Praia, 09 Mar (Inforpress)- O presidente da Câmara Municipal da Praia pediu hoje, na Cidade da Praia, um maior engajamento dos seus colaboradores no sentido de melhorar o ambiente global de negócios em Cabo Verde.

O apelo foi feito por Óscar Santos, esta manhã, durante a sua intervenção no encontro que reuniu directores e delegados municipais para se inteirarem da avaliação geral do “Doing Business de Cabo Verde” e apresentação do plano de execução traçado para melhorar as acções da autarquia.

Segundo o relatório do Banco Mundial, Cabo Verde melhorou o seu ambiente de negócios, no índice “Doing Business 2018”, ocupando a posição 127º, o que representa uma subida de dois postos em comparação com o ano anterior.

Óscar Santos assegurou que a autarquia praiense tem um papel fundamental na avaliação do “Doing Business de Cabo Verde”, uma vez que essa análise é feita à cidade capital do país.

“Nós somos avaliados em alguns indicadores como a nível de licença de construção e, indirectamente, nas questões de acesso à água, ligação à electricidade, abertura de valas, abertura de empresas, pagamento de impostos, sendo que ao emitir uma planta de localização estamos a contribuir para facilitar o ambiente de negócios e o funcionamento da economia”, sublinhou, frisando que a meta é chegar ao top 50 daqui a 10 anos.

Na ocasião, o presidente da câmara apelou a um maior engajamento dos directores e delegados municipais para a melhoria do desempenho da câmara em matéria de facilitação de negócios e o ambiente de negócios em Cabo Verde.

Por seu turno, o vereador do Urbanismo da Câmara Municipal da Praia, Rafael Fernandes, disse que algumas medidas já estão a ser implementadas, mas que existem ainda alguns itens e pontos que precisam ser melhorados.

“Apesar de não haver uma assunção dessa avaliação, acredito que estamos num bom caminho, sendo que as autoridades com responsabilidades a nível das chefias já estão cientes sobre a avaliação e que qualquer descuido da nossa parte a nível de licença de construção terá impacto nacional e na nossa apreciação lá fora”, precisou

“Estamos no bom caminho, houve uma não assunção dessa avaliação, mais creio que todas as autoridades e pessoas com responsabilidades a nível de chefias já estão mais cientes para esse tipo de avaliação e qualquer descuido nosso a nível de licença de construção tem impacto a nível nacional e na nossa avaliação lá fora”, alertou.

Rafael Fernandes avançou que no final do encontro todos os directores municipais vão assinar um termo de responsabilidade, onde se comprometem a trabalhar para melhorar a qualidade dos serviços prestados a nível da autarquia.

“Um dos desafios de Cabo Verde é chegar ao top 50 do Doing Business nos próximos 10 anos e para tal estamos a apostar e aproveitar as novas tecnologias no sentido de diminuir o tempo dos processos”, explicou.

Neste processo de avaliação, a câmara intervém em quatro indicadores, nomeadamente na abertura de uma empresa, licença de construção, acesso à electricidade, ou seja, licença de escavação e no registo da propriedade.

Nos últimos 15 Anos, o Doing Business registou aproximadamente 3200 reformas que visam melhorar o clima de negócios em todo mundo.

O relatório revela ainda que a actividade de reformas continua a acelerar na África Subsaariana em 36 economias, com 83 reformas.

AV/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos