Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Autarca anuncia construção do Centro de Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas na Praia (c/áudio)

Cidade da Praia, 10 Jun (Inforpress) – A construção do CERCI, com um terço de financiamento garantido pela Câmara Municipal de Oeiras (Portugal), é um dos resultados da visita que o autarca praiense realizou a alguns países europeus.

O projecto do Centro de Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas (CERCI), segundo o presidente da Câmara Municipal da Praia, Francisco Carvalho, foi-lhe entregue em mãos pelo seu homólogo de Oeiras, Isaltino Morais, que lhe garantiu financiar um terço do custo do edifício.

O custo total do referido centro está orçado em cerca de 40 mil contos cabo-verdianos e Carvalho promete mobilizar a outra parte a fim de tornar o projecto em realidade.

O autarca praiense fez este anúncio em conferência de imprensa  para dar a conhecer aos praienses, por intermédio dos jornalistas, os resultados da recente visita a três países europeus, nomeadamente Portugal, Luxemburgo e Holanda, onde disse ter apresentado aos governos locais projectos e iniciativas em carteira, tendo em vista a obtenção de parcerias para a sua implementação.

Nesses países, além de encontros com as comunidades cabo-verdianas ali radicadas, a delegação camarária reuniu-se ainda com representantes diplomáticos de Cabo Verde, bem como empresários, líderes associativos e outras individualidades.

Na capital portuguesa, Lisboa,  de acordo com Francisco Carvalho a sua comitiva contactou com o secretário-geral da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCLLA), Vítor Ramalho, com quem discutiu o “aprofundamento da parceira” com esta organização nos mais diversos domínios, que vão desde a participação nas redes  temáticas das cidades membros da UCLLA, entre as quais a rede de protecção civil e a rede  de protecção e valorização dos centros históricos, assim como acções na área da infância e da saúde pública.

Com o primeiro responsável da UCLLA, Francisco Carvalho informou ter ainda abordado assuntos atinentes à realização do Encontro Anual de Escritores que, desde 2017,  vem tendo como palco a Cidade da Praia.

No Luxemburgo, o autarca praiense aproveitou para abordar a questão da parceria com a Câmara de Comércio  Luxemburgo-Cabo Verde para acesso a empresas e investidores daquele país europeu que terão interesse em investir ou criar parcerias no arquipélago.

Anunciou, por outro lado, que no quadro do loteamento de terrenos em Achada de São Filipe e Lém Dias,  vai ser reservada uma parte exclusiva para os emigrantes que queiram construir na capital.

“Apresentamos também oportunidades de negócios para investimento emigrante no nosso município”, revelou, indicando ainda que levou a proposta de criação de duas aldeias turísticas periurbanas, assim como projectos de produção de gelo, indústria transformadora e circuito de conservação e matadouro.

O edil praiense apresentou essas oportunidades junto aos emigrantes para que possam investir no município da Praia.

Referindo-se a outros resultados concretos da missão que efectuou à Europa, apontou o estabelecimento de uma parceria técnica com a Associação Naturstad, da Holanda, com vista à criação, este ano, do Parque Ecológico da Cidade da Praia como uma “prenda para os praienses”.

“Eles [da Associação Naturstad] gerem os parques ecológicos na Holanda, pelo que têm experiências e “know how”, indicou o autarca que garantiu que ainda este mês vão vir a Cabo Verde, a fim de se começar a desenvolver o projecto do Parque Ecológico.

Na capital portuguesa, iniciou o processo de elaboração de um protocolo com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, tendo em vista a “formação e capacitação” de senhoras na área de cuidados, com “possibilidade de seguirem para Portugal com contrato de trabalho”.

No Luxemburgo, de acordo com Francisco Carvalho,  foi retomado o projecto para a produção de bioenergia a partir de resíduos sólidos urbanos que, realçou, “já tinha praticamente o financiamento garantido por entidades luxemburguesas, mas foi interrompido por razões diversas”.

LC/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos