Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Áustria rejeita proposta de Bruxelas para rotulagem verde da energia nuclear

Viena, 02 Jan (Inforpress) – O Governo austríaco rejeitou hoje a proposta da Comissão Europeia para considerar os investimentos em energia nuclear e gás natural sustentáveis, no âmbito da transição verde, e ameaçou tomar medidas legais contra Bruxelas.

A posição austríaca contra a proposta da Comissão Europeia (CE) foi manifestada pela ministra do Meio Ambiente e Energia, a ecologista Leonore Gewessler, alegando que a energia atómica e o gás natural “são prejudiciais ao clima e destroem o futuro dos nossos filhos”.

A governante garantiu, na sua conta na rede social Twitter, que o Governo da Áustria vai estudar detalhadamente o projecto e que, se a proposta da Comissão for aplicada, levará o assunto ao Tribunal de Justiça da União Europeia.

Na sequência de um referendo realizado em 1978 que rejeitou a abertura de uma central nuclear, foi aprovada legislação nacional que proíbe o uso deste tipo de energia no país.

A CE pretende que os investimentos em centrais nucleares que obtenham uma licença de construção até 2045 recebam o rótulo verde e que o gás natural seja considerado sustentável, desde que seja proveniente de energias renováveis ou tenha baixas emissões de gases.

Os Estados-membros estão divididos quanto ao papel que estas duas fontes de energia devem desempenhar na transição para a neutralidade climática que Bruxelas pretende alcançar em 2050.

A França lidera o grupo de países que querem que a energia nuclear seja considerada sustentável, enquanto Espanha e a Alemanha se opõem, embora Berlim defenda que os investimentos em gás natural recebam o selo verde durante o período de transição.

Os ambientalistas também se opõem ao reconhecimento das centrais a gás, que emitem dióxido de carbono (CO2), e das centrais de energia nuclear, alegando a produção de lixo radioactivo.

A Greenpeace considerou que a proposta da CE, ao promover essas formas de “energia tóxica e cara durante as próximas décadas, é uma ameaça real à transição energética da Europa”, enquanto a organização WWF manifestou a sua “preocupação” pelo facto de a Comissão ter estabelecido 12 de Janeiro como prazo limite para os países da União e a Plataforma de Financiamento Sustentável se pronunciarem sobre uma medida que considera “complexa e polémica”.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos