Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

“Aumento dos impostos é uma medida transitória para servir de ponte para retoma económica” – vice-primeiro-ministro

Cidade da Praia, 18 Nov (Inforpress) – O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças explicou hoje aos empresários que o aumento dos impostos previsto ao nível do Orçamento do Estado para 2022 é uma medida transitória para servir de ponte para a retoma económica.

Olavo Correia, que falava na conferência promovida pelas câmaras de comércio à margem da Feira Internacional de Cabo Verde (FIC-2021), tendo como tema “O sector privado nacional no contexto da crise pandémica – situação actual e desafios”, afirmou que “não é política e nem estratégia deste Governo” aumentar os impostos.

“Desde 2016 nós nunca aumentamos os impostos, só diminuímos. Não é estratégia do Governo e não faz parte das nossas políticas aumentar os impostos. Nós o que defendemos é aumentar nossa base tributária e estamos a aumentar a base tributária, para termos uma tributação moderada, mas com todos a pagar”, explicou.

No entanto, adiantou que perante esta crise, em que o Estado é obrigado a investir nos mais diversos sectores, inclusive o social, num cenário perdas de receitas e limitação do endividamento, tem de encontrar alternativas para ter recursos para cumprir as suas responsabilidades

“Hoje há menos donativos, isso é facto. Não temos espaços a nível do endividamento, isto é um outro facto, e a questão que se coloca é onde podemos ir buscar o dinheiro para financiar as responsabilidades do Estado? Aqui não há milagres, são os impostos”, sustentou.

Outra alternativa seria o corte nas despesas sociais, que segundo o governante significaria cortar no estado social.

“Neste particular, o estado tem dado esse sinal, mas cortar com substância significaria cortar na educação, na saúde, nas transferências sociais e nos rendimentos e contribuir para aumento da própria dimensão da crise”, realçou.

Por isso sublinhou que neste momento o esforço interno, pela via dos aumentos dos impostos, “é necessário”, até para pedir ajudas e renegociar as novas modalidades de reestruturação de dívidas externas.

“Nós temos de dar um sinal doméstico. Se não dermos esse sinal doméstico não teremos credibilidade para pedir e pedir com sucesso qualquer processo de renegociação, novas modalidades ou ajustamentos ou até redução da própria divida”, sustentou.

A proposta do Orçamento do Estado 2022 passa pelo aumento da tributação sobre o álcool e sobre o tabaco, em linha daquilo que é recomendado a nível internacional, e taxa um conjunto de bens não essenciais que estavam isentos da tributação.

“Nós podemos ter uma tributação reduzida de 5%, mas para os bens não essenciais porque reparam que a maior parte dos bens essenciais como o arroz, o açúcar, óleos, medicamentos, os livros, não têm IVA e não tem direitos de importação. As pessoas que estão nessa camada não vão ter impactos com aumento do IVA porque o IVA não se aplica a esse produto”, exemplificou.

Propõe sim aumentar a cobrança nos bens que não são essenciais, num quadro de solidariedade colectiva, até porque, frisou, o Estado não reduziu o salário aos funcionários.

Olavo Correia lembrou que o País tem um serviço da dívida para 2022 de cerca de 9 milhões de contos, adiantando que se Cabo Verde não conseguir as moratórias, cujas negociações estão em curso, a única solução tem de ser um ajustamento nominal no IVA transitório, com “sentido de responsabilidade solidária e colectiva”.

“Quem mais consome é quem mais tem rendimento e quem mais realiza despesas. Em vez de irmos ao rendimento, pensamos que seria melhor tributar as despesas. Será medida transitória apenas para 2022, se os cenários se concretizarem em relação á evolução”, disse.

MJB/AA

Inforpress/Fim 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos