Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Aumentam para oito os mortos do naufrágio perto da ilha do Príncipe

São Tomé, 26 Abr (Inforpress) – O número de mortos do naufrágio do navio “Amfitriti”, ocorrido na madrugada de quarta-feira perto da ilha do Príncipe, subiu para oito, mantendo-se nove pessoas desaparecidas, indicou fonte do governo regional.

“Foi encontrado o corpo de uma senhora, o que perfaz neste momento quatro crianças e quatro adultos” que morreram no naufrágio do navio, disse à Lusa Teobaldo Cabral, assessor do presidente do governo regional do Príncipe, José Cassandra.

Entretanto, a empresa Oca Logistics, que gere o navio “Amfitriti” disse estar a trabalhar “na busca de pessoas desaparecidas e na prevenção da eventual poluição”.

“Neste momento concentramos os esforços na busca de pessoas desaparecidas e na prevenção da eventual poluição”, refere um comunicado assinado pelo gerente da Oca Logistics, Jean Philippe.

Fonte do gabinete do primeiro-ministro são-tomense disse hoje à Lusa que Jorge Bom Jesus se desloca este sábado para “acompanhar mais de perto a situação”.

O chefe do executivo são-tomense anunciou na quinta-feira a abertura imediata de um inquérito para “se apurarem as causas deste trágico acidente e assacar as eventuais responsabilidades”.

O navio “Amfitriti”, que fazia a ligação entre as ilhas de São Tomé e do Príncipe, uma viagem que dura entre seis e oito horas, zarpou do porto de São Tomé na noite de quarta-feira com destino à cidade de Santo António e naufragou já perto da ilha do Príncipe, na madrugada de quinta-feira.

A bordo viajavam 64 passageiros e oito tripulantes e o navio transportava 212 toneladas de carga.

Segundo as autoridades locais, o acidente causou oito mortos – quatro crianças e quatro adultos – e nove desaparecidos. Cinquenta e cinco pessoas foram resgatadas com vida, três das quais foram transportadas para a ilha de São Tomé por apresentarem ferimentos graves.

O presidente do governo regional do Príncipe, José Cassandra, afirmou haver registos de três passageiros estrangeiros – duas portuguesas e um francês -, mas essa informação ainda não foi confirmada.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesa, José Luís Carneiro, afirmou hoje de manhã que ainda não foi possível confirmar a existência de cidadãos portugueses entre as vítimas.

O navio da Marinha portuguesa “Zaire”, que se encontra em missão no país, com uma guarnição constituída por militares portugueses e são-tomenses, navegou de imediato para o local do naufrágio.

Inforpress/Lusa/fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos