Atentado reivindicado pelo Estado Islâmico faz pelo menos 15 mortos em Cabul

 

Cabul, 16 Nov (Inforpress) – Pelo menos 15 pessoas, incluindo oito polícias e o atacante, morreram hoje e 18 ficaram feridas num atentado suicida à entrada de um hotel no noroeste de Cabul, reivindicado pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI).

“O atacante quis entrar mas, após ser identificado pela polícia que vigiava a entrada, detonou os seus explosivos na rua principal frente ao hotel”, assegurou o porta-voz da polícia de Cabul, Basir Mujahid, citado pela agência noticiosa Efe.

Pelo menos oito polícias destacados no hotel foram mortos, para além de seis civis e o atacante, enquanto 11 civis e sete polícias ficaram feridos, precisou.

Um primeiro balanço apontava para nove vítimas mortais.
Segundo Mujahid, o ataque ocorreu frente ao hotel Kabul-e-Naween pouco após as 13:00 locais (07:30 em Cabo Verde).

O chefe do Governo afegão, Abdulah Abdulah, condenou em comunicado o “cobarde atentado terrorista” e destacou que “os inimigos do Afeganistão não podem, com este tipo de actos terroristas, evitar que o povo tenha liberdade social e outros valores democráticos”.

O grupo Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria do ataque através de um comunicado difundido pela agência Amaq, com ligações aos ‘jihadistas’.

No momento do ataque decorria no interior do hotel onde o atacante tentou entrar um ato político em apoio a Atta Muhammad Noor, governador da província de Balkh (norte) e ex-senhor da guerra.

No entanto, em declarações à agência noticiosa France-Presse (AFP), um dos seus assistentes referiu que o governador não estava presente na reunião.

“Nós estávamos a deixar a sala, depois do almoço, quando ocorreu uma enorme explosão, partindo vidros e criando o caos e o pânico”, declarou um dos participantes, Harin Mutaref.

“Todas as janelas do prédio ficaram partidas pela explosão e um carro estacionado nas proximidades também ficou em chamas, de acordo com um fotógrafo da AFP. A zona foi rapidamente isolada por agentes de segurança.

Noor é um alto membro do partido Jamiat-e-Islami e um opositor do Presidente afegão, Ashraf Ghani, e do seu Governo, e já insinuou que poderá concorrer à Presidência afegã em 2019.

Recentemente, Noor pediu o regresso ao Afeganistão do vice-presidente afegão Abdul Rashid Dostum, que fugiu para a Turquia em Maio, após ser acusado de violação e tortura em 2016 contra um rival.

Em 2017 a capital afegã foi alvo de graves ataques perpetrados por diversos grupos insurgentes.

Lusa/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos