Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Associação Sindical dos Funcionários da Polícia Judiciária exige “reforma profunda” na instituição de investigação (c/áudio)

Cidade da Praia, 24 Jul (Inforpress) – O presidente da Associação Sindical dos Funcionários da Polícia Judiciária (ASFIC.PJ/CV), Agostinho Semedo, exigiu hoje, com carácter de urgência, uma “reforma profunda”, a vários níveis, na instituição de investigação.

“Com o clima de decepção e desmotivação que a classe vive, entendemos que a Polícia Judiciária precisa de uma reforma profunda e urgente do ponto de vista estrutural, de gestão, funcional e de relação interpessoal”, apontou.

Agostinho Semedo fez essa exigência em declarações à imprensa, quando falava sobre o sentimento da classe e as perspectivas da instituição para o futuro, no âmbito de um encontro promovido pela ASIFC.PJ/CV para marcar o décimo segundo aniversário da sua criação.

Na sua declaração, o responsável sindical manifestou-se preocupado com a situação que em vive a classe e realçou que os “sinais de fragmentação” têm vindo dos gestores que “não reúnem mais condições para estar à frente da instituição”.

Perante esta constatação, alertou para a necessidade de uma “mudança urgente”, de forma a se conseguir preservar o “bom rumo da PJ”, denunciando que a própria gestão da instituição tem primado por beneficiar um “pequeno grupo”, provocando com esta atitude “discrepâncias a nível da classe”.

“Essa preocupação já foi comunicada à ministra, pelo que só esperamos que haja acção, pois, se queremos uma PJ para servir a sociedade, há que haver o sentido de imparcialidade, da autonomia e da seriedade, acima de tudo”, afirmou.

Apesar destas manifestações, o presidente da ASIFC.PJ/CV é de opinião que a criação da associação serviu para multiplicar ganhos, particularmente, com a revisão dos estatutos, mas afirmou que os obstáculos ainda são muitos no que se refere à carreira.

Neste momento, segundo disse, o ponto fraco da classe tem a ver com sinais de “fragmentação”, o que tem vindo, sublinhou, a penalizar a classe, apesar da força para se manter a união.

A par isso, adiantou que a associação tem acompanhado, “com serenidade”, a situação que envolve um funcionário da PJ, afirmando acreditar que a justiça exerça a sua função com “transparência, seriedade e sentido de imparcialidade”.

Isso porque, justificou, ter tido alguns sinais de “atropelo”, particularmente, com o que aconteceu no último caso com a detenção de um inspector da PJ, na Cidade da Praia.

“Essa apreensão foi um belo atropelo jurídico, pois, o próprio Ministério Público, na pessoa do procurador que emitiu o mandato fora de flagrante e a instituição que através dos funcionários executaram o mandato, revelaram desconhecimento do estatuto da classe que no seu estatuto 6º faz referência sobre a imunidade”, disse, reiterando que o atropelo cometido pelo Ministério Público pôs em causa a liberdade de um funcionário.

Feito isso, sublinhou que o funcionário em causa está “tranquilo, de consciência livre e de cara levantada”, visto que não” cometeu nenhum crime”.

Conforme Agostinho Semedo, com estes atropelados, a associação percebeu que, neste caso concreto, “há sinais de armação, manipulação e calúnia contra o funcionário”, pelo que diz está ciente disso para “lutar e combater”.

Finalizando, alertou aos funcionários da Justiça a exercerem a suas funções com “imparcialidade, neutralidade, transparência e com respeito pelos bens jurídicos fundamentais das pessoas”.

Para marcar o 12º aniversário a ASFIC-PJ/CV vai reunir com os seus associados para reflectir sobre temas como o “o real sentido da classe, sobretudo diante dos últimos acontecimentos”, “perspectivas e desafios da classe – Que rumo para Polícia Judiciária”, e manifestar a posição da classe diante dos últimos acontecimentos.

A Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal da Polícia Judiciária (ASFIC/PJ), que conta com mais de 80% dos funcionários associados, é um sindicato dotado de personalidade jurídica e capacidade legal para o cumprimento dos seus fins, visando exclusivamente a promoção e a defesa dos interesses económicos, sociais, profissionais e culturais dos associados.

PC/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos