Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Associação sindical acusa direcção da PJ e Governo de “ditadura e falta de respeito” pela implementação do serviço social

Cidade da Praia, 26 Ago (Inforpress) – A Associação Sindical dos Funcionários de Investigação e de Apoio à Investigação (ASFIAI – PJ) acusou hoje a instituição e o Governo de “ditadura e falta de respeito” pela implementação do serviço social com base no salário dos funcionários.

Em conferência de imprensa, na cidade da Praia, o porta-voz dos funcionários, Agostinho Semedo, denunciou a criação dos estatutos do serviço social sem consentimento dos funcionários e com o voto obrigatório para a constituição do conselho consultivo do presente estatuto.

Agostinho Semedo esclareceu que o Decreto-Lei nº-21/20 de 13 de Março, que cria o estatuto do serviço social, no seu artigo quarto constam algumas competências entre as quais a assistência médica e medicamentosa, apoio funerário, assistência para evacuação e a questão de habitação relacionados com os funcionários transferidos para as ilhas da Boa Vista e do Sal.

De acordo com o porta-voz da Polícia Judiciária, na perspectiva do presente decreto-lei, os dois por cento a serem descontados nos salários, “de forma obrigatória”, vai suportar os funcionários na ilha da Boa Vista e no Sal, no quadro da implementação do serviço social.

“O que inquietou os funcionários é que algumas competências constantes neste decreto-lei já são pagas junto do INPS, sendo por isso desnecessário pagar esses dois por cento para o mesmo serviço”, esclareceu.

Por outro lado, acrescentou ainda que não houve a “devida socialização” para a aprovação do estatuto, verificando celeridade na sua criação, uma vez que, conforme comprovou Agostinho Semedo, foi criado no dia 13 de Março e a 03 de Agosto foi publicada a portaria que regula o seu funcionamento.

“Esta é a inquietação que incomoda os funcionários e, ainda por cima, obriga os funcionários a pagarem os dois por cento numa espécie de demagogia, de que sendo um beneficiário obrigatório tem que ser um contribuinte obrigatório”, observou Agostinho Semedo, considerando que o Governo se esqueceu da livre escolha dos funcionários.

Por sua vez, o presidente da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação e de Apoio à Investigação, João Vaz, exigiu a suspensão “imediata” do Decreto-Lei nº-21/ 20 de 13 de Março que cria o estatuto de serviço social, bem como a portaria que regula o seu funcionamento.

“Os funcionários foram surpreendidos, em plena pandemia, com o estatuto de serviço social já aprovado e sem qualquer socialização com os mesmos e com a associação sindical que os representa”, denunciou João Vaz, apontando que a Direcção Nacional da Polícia Judiciária e o Governo desrespeitaram todas as normas que devem prevalecer num processo dessa natureza.

OM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos