Associação quer criar uma opinião pública favorável à oficialização da língua cabo-verdiana

Cidade da Praia, 11 Nov (Inforpress) – A Associação da Língua Materna Cabo-verdiana (Alma-CV) manifestou hoje o desejo de criar uma opinião pública favorável quanto à oficialização do crioulo, que recuse a actual supremacia da língua portuguesa.

Esta consideração foi feita por António do Espírito Santo Fonseca, enquanto presidente da Assembleia Constitutiva da Alma-CV, que se encontra reunida na Cidade da Praia, com o propósito de apresentar e debater os Estatutos, além da eleição dos órgãos nacionais da associação.

A associação, disse, pretende renovar uma onda surgida com uma petição de 2021, assinada por mais de 200 cabo-verdianos das áreas das artes e estudos e ensino das línguas visando dar um contributo para que se altere, positivamente, para a língua materna as políticas linguísticas em Cabo Verde.

“No seguimento dessa assinatura deu-se continuidade à dinâmica surgida com este grupo, agora de promotores, que entendeu que a renovação da onda passa pela constituição desta associação e é isso que vimos fazer hoje”, afirmou.

Nas suas declarações manifestou o desejo de a associação em criar uma opinião pública favorável à língua cabo-verdiana, e também, que recuse a actual supremacia da língua portuguesa que diz existir efectivamente.

“A oficialização é uma situação crucial para nós, até lá entendemos, no entanto, há aspectos de direitos dos cidadãos que estão a ser violados, por isso mesmo, nós acolhemos toda e qualquer medida de utilização do crioulo que possa mitigar estes direitos”, frisou.

No entanto, diz haver passos encorajadores do próprio poder político, do Governo, e uma assunção clara da questão por parte do Presidente da República, sublinhando a intenção da associação em criar uma organização independente que inclua todos os que, no mundo, se interessam pela língua cabo-verdiana, independentemente da sua nacionalidade, do seu local de origem, nascimento e outros.

A missão da Alma-CV segundo os seus promotores é contribuir para a efectivação de uma política linguística, explícita, organizada e planificada, consentânea com a situação sociolinguística de Cabo Verde e com os direitos humanos de natureza linguística.

ET/HF

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos