Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Associação Cabo-verdiana de Lisboa realiza mesa redonda sobre escrita e oficialização do crioulo

Cidade da Praia, 21 Fev (Inforpress) – A Associação Cabo-verdiana de Lisboa (ACV) realiza esta sexta-feira uma mesa redonda sobre problemáticas da escrita e ensino e da oficialização do crioulo em comemoração ao dia Mundial da Língua Materna, que se assinala hoje.

Segundo informações da ACV, o evento irá decorrer nas instalações da associação, em Lisboa, e visa assinalar o Dia Internacional da Língua Materna no ano que se comemora o 40º aniversário da aprovação do chamado Alfabeto de Mindelo da Língua Cabo-Verdiana.

A mesa redonda, refere o “site” da organização, contará com a participação dos professores e linguistas Ana Josefa Cardoso, Dulce Pereira e Hans-Peter (Lonha) Heilmair e a moderação do poeta e ensaísta cabo-verdiano José Luís Hopffer Almada.

A sessão será ainda abrilhantada com leitura de textos em crioulo por alunos do Curso Avançado de Língua Cabo-verdiana ministrado na ACV.

O Dia Internacional da Língua Materna é celebrado anualmente em 21 de Fevereiro em todo o planeta.

Criado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) em 17 de Novembro de 1999, o Dia Internacional da Língua Materna tem o objectivo de promover a diversidade linguística e cultura entre as diferentes nações.

Além disso, esta data também convida a todos os países membros da UNESCO e suas matrizes a reflectirem sobre a preservação das particularidades linguísticas e culturais de cada sociedade.

A ideia para proclamar um dia dedicado à língua materna surgiu a partir do Dia do Movimento da Língua, criado em 1952 e celebrado desde então em Bangladesh.

Reza a história que um grupo de estudantes organizou uma campanha para incluir o bengalês como uma das línguas oficiais do Paquistão, em 21 de Fevereiro de 1952. No entanto, acabaram sendo todos assassinados por forças policiais, que atearam fogo em seus corpos.

Este movimento em prol da inclusão do bengalês começou quando Muhammad Ali Jinnah, general paquistanês, declarou que o idioma Urdu passaria a valer como língua oficial tanto no Paquistão do Oeste, como no Leste.

CM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos