Arquivo Nacional de Cabo Verde e ATLAS levam aspectos de vida de Eugénio Tavares para debate com estudantes

Cidade da Praia, 18 Out (Inforpress) – O Arquivo Nacional de Cabo Verde (ANCV) promoveu hoje uma conferência sobre o “Pensamento de Eugénio Tavares” trazendo para o debate o lado social do patrono da cultural cabo-verdiana, mas sem descorar o lado poético do escritor.

À Inforpress o conservador do Arquivo Nacional de Cabo Verde, José Maria Borges, falou da importância da instituição trazer ao debate uma referência maior da cultura cabo-verdiana para que os jovens estudantes possam conhecer a vida e obra do homem que é o patrono do Dia Nacional a Cultura e Comunidades, que se assinala a 18 de Outubro.

“A figura de Eugénio Tavares deve ser divulgada, assim como a sua obra literária e musical particularmente, neste ano em que a morna possa ser considerada património da humanidade”, disse o conservador.

Para o conferencista e poeta, Paulo Varela, que dirigiu o debate, o legado do poeta Eugénio Tavares o coloca como uma das figuras cabo-verdianas dos mais destacados em termos líricos, uma vez que a sua obra não se limita ao registo poético, mas também na música, vida social e outros.

“Com a poesia e a morna ele construiu o seu legado como referência da língua cabo-verdiana ao escrever tanto em português como em crioulo. E porque este legado é bastante conhecido, preferimos neste debate trazer ao de cima aspectos da sua vida que ainda não foram muitos propalados como o de se tratar de um homem justo e com propósitos sociais”, acrescentou.

Segundo o poeta e membro da Associação Literária do Tarrafal de Santiago (ALTAS), poucas pessoas conheciam o lado do homem que queria, acima de tudo, “fazer justiça” quando na sua passagem para a ilha de Santiago lhe foi possibilitado conhecer melhor o povo e a sociedade da época.

Isso porque sustentou, segundo a história, apesar do dinheiro que as Finanças arrecadavam, existia muita gente a passar miséria, o que levou Eugénio Tavares a questionar se os recursos recolhidos pela repartição das Finanças estavam a ser bem distribuídos.

Além do debate, os membros do ATLAS, em parceria com o ANCV, promoveram momentos de poesia com a segunda edição do “Rafina Kombersu” e convívio entre artistas de Tarrafal de Santiago na pintura de um quadro de Eugénio Tavares.

O Arquivo Nacional de Cabo Verde, a promotora do evento, vai efectuar durante este mês, na sua rede social e na entrada da instituição, projecção de um vídeo sobre “Eugénio Tavares: Vida e Obra”.

Eugénio Tavares foi um jornalista, escritor e músico cabo-verdiano, nascido na ilha Brava, a 18 de Outubro de 1867.

O escritor considerado uma figura de grande importância cultural, política e social de Cabo Verde entre 1890 e 1930 é dono de uma riquíssima obra literária, assim como morna.

É também conhecido como o poeta que mais divinizou a mulher e o amor, pois, era na mulher onde encontrava a sua expressão máxima de beleza e amor para a sua inspiração na criação de uma das mais lindas mornas de sempre como “Força de Cretcheu”.

PC/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos