ARFA recomenda uso do Fluconazol durante a gravidez só em caso indispensável

 

Cidade da Praia, 15 Mai (Inforpress) – O Centro Nacional de Farmacovigilância (CNF)) da ARFA aconselha aos profissionais da saúde a evitarem a utilização do Fluconazol durante a gravidez em doses normais ou tratamentos de curta duração, a menos que seja claramente indispensável.

Segundo uma circular informativa sobre Fluconazol – risco de aborto espontâneo , emitida hoje, na Cidade da Praia, apesar de até o momento não ter havido qualquer notificação relativa a esta DCI, a ARFA aconselha igualmente a não utilização do fluconazol durante a gravidez em doses elevadas ou tratamentos prolongados, excepto para infecções que potencialmente põem a vida em risco.

A DCI é a denominação comum recomendada pela Organização Mundial de Saúde para substâncias activas de medicamentos.

Em Cabo Verde, a DCI fluconazol consta da Lista Nacional de Medicamentos e encontram-se autorizados pela Agência de Regulação e Supervisão dos Produtos Farmacêuticos e Alimentares (ARFA), medicamentos contendo estas substâncias.

O fluconazol é um antifúngico indicado para o tratamento de candidíases vaginais agudas ou recorrentes, mucocutâneas resistentes e sistémicas.

A ARFA informa também é utilizado no tratamento de infecções criptocócicas, incluindo a meningite e na profilaxia e tratamento das infecções fúngicas nos doentes imunodeprimidos.

A utilização do fluconazol em grávidas é uma contra-indicação que e encontra descrita no resumo das características do medicamento e, na sequência dos resultados de um estudo que demonstrou uma associação entre o uso de fluconazol oral durante a gravidez e o risco de aborto espontâneo e natimorto, o Comité de Avaliação do Risco em Farmacovigilância (PRAC) da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) iniciou uma avaliação a este sinal.

O estudo recente de coorte sugeriu um risco aumentado de aborto espontâneo em mulheres tratadas com fluconazol durante o primeiro trimestre da gravidez. Um aumento estatisticamente significativo na taxa de natimorto não foi encontrado, diz a ARFA.

O estudo foi considerado juntamente com uma revisão cumulativa de todos os dados disponíveis dos ensaios clínicos, estudos pós-comercialização e dados da literatura sobre o risco da exposição ao fluconazol durante a gravidez, lê-se na circular informativa.

JL/JMV

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos