Aplicativo móvel para notificação de reacções adversas dos medicamentos valoriza contexto digital de Cabo Verde – Olavo Correia

Cidade da Praia, 02 Nov (Inforpress) – O vice-primeiro-ministro e ministro da Economia Digital, Olavo Correia, considerou hoje que o lançamento do aplicativo móvel para notificação das reacções adversas dos medicamentos (Medsafety) é um “uma excelente” iniciativa que valoriza o contexto digital de Cabo Verde.

Ao presidir à abertura da semana internacional da segurança do medicamento, promovida pela Entidade Reguladora Independente da Saúde (ERIS) e marcada pelo lançamento do aplicativo, Olavo Correia, adiantou que em Cabo Verde cerca de 72% da população com 10 anos ou mais possui um telemóvel.

“Setenta e sete em cada 100 pessoas tem acesso à internet no alojamento e pelos menos 72 em cada 100 utilizam a internet, em especial os jovens. Três em cada quatro jovens dos 15 a 24 e nove em cada 10 jovens dos 25 a 34 anos utilizam essa rede global”, precisou.

Olavo Correia acrescentou ainda que o telemóvel é um instrumento utilizado pelos cabo-verdianos na maior parte do seu tempo, pelo que considera que é importante também que o mesmo seja utilizado para interacção com o Sistema Nacional de Farmacovigilância, assim como meio para defender a saúde e proteger a vida.

O ministro sublinhou que a modernização da administração pública deve ser orientada para servir os cidadãos e as empresas pela via digital. Neste sentido salientou que a transformação digital é uma prioridade.

“As transformações digitais na saúde podem mudar a prática da medicina, pois possibilita a inovação, a melhoria da qualidade do atendimento, intensifica o contacto médico paciente e relações mais saudáveis entre eles. A transformação digital na saúde deverá ser um acelerador na melhoria da cobertura da proximidade e da eficiência na Saúde”, disse.

O aplicativo Medsafety, segundo o presidente da ERIS, Eduardo Tavares, permite que os profissionais de saúde e os pacientes notifiquem reacções adversas a medicamentos directamente ao Centro Nacional de Farmacovigilância, e estes recebem o ‘feedback’ imediatamente da notificação enviada.

Eduardo Tavares explicou ainda que o aplicativo Medsafety é uma ferramenta poderosa para construir conhecimentos pós-comercialização do perfil de segurança de medicamentos e vacinas em ambiente real, salientando que o mesmo ganha ênfase com os desafios impostos pela pandemia e com a produção e implementação de vacinas no mercado mundial em contexto emergencial.

“Ao introduzir um novo medicamento, o conhecimento do seu perfil de segurança é normalmente limitado e ter o aplicativo no local de atendimento é inestimável para vigilância da segurança em tempo real e rápida identificação dos novos riscos de segurança”, sustentou.

O Medsafety é um aplicativo produzido pela OMC juntamente com a OMS e a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido, que pode ser utilizado por países de baixa e média renda e outros países do programa da OMS, para a monitorização internacional de medicamentos mediante adopção de inovações personalizadas.

MJB/ZS

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos