Ano lectivo 2022/2023 terá digitalização como realidade e formação para “todos os professores” – director nacional de Educação

Mindelo, 14 Mai (Inforpress) – O director nacional de Educação, Adriano Moreno, assegurou hoje, no Mindelo, que a digitalização do sistema educativo será uma realidade no próximo ano lectivo 2022/2023 para que “todos os professores” tenham acesso às formações.

O responsável falava à imprensa, no Mindelo, para balanço do Conselho Alargado de Educação que arrancou na quinta-feira e terminou hoje, em São Vicente, admitindo ter sido três dias de “muito trabalho”, no qual todos os técnicos, delegados e directores de serviço puderam preparar o próximo ano lectivo com a socialização dos vários instrumentos legais e de várias orientações.

Adriano Moreno apontou como um dos maiores desafios do próximo ano escolar, a implementação da revisão curricular ao nível do 10º ano de escolaridade, no qual os alunos vão poder escolher as novas áreas e, por outro lado, a efectivação dos sistemas nacionais de aprendizagem e de formação de professores.

Admitiu ser um “alívio” retomar a total normalidade das aulas, que pôde ser testada no ano lectivo prestes a findar, mas, assegurou, que vai ser tido em conta as precauções e articulações com os serviços de saúde.

“Naturalmente traz-nos desafios ao nível da formação de professores, vamos implementar um novo sistema também aprendendo todas as lições tiradas com a pandemia”, reiterou aquele director, asseverando que a digitalização do sistema educativo vai ser uma realidade com a montagem de centros de educação à distância em “todos os concelhos”.

Isto para que, segundo a mesma fonte, os professores lá onde estiverem, tenham acesso às formações.

“Queremos chegar a todos os professores e que tenham uma formação por trimestre, para que possam ter uma educação de qualidade”, lançou Adriano Moreno.

O Conselho Alargado de Educação que reuniu dirigentes nacionais e parceiros para debater diversas questões ligadas à educação, decorreu na óptica da descentralização, no Mindelo, durante três dias.

No acto de abertura nesta sexta-feira, 13, o ministro da Educação, Amadeu Cruz, anunciou que o arranque das aulas para o próximo ano lectivo deverá acontecer a 19 de Setembro em todo o território nacional e nos diversos níveis de ensino, sendo que a actividade central acontecerá em São Filipe, ilha do Fogo, “salvo imprevistos”.

O governante aproveitou ainda para esclarecer que o próximo Conselho Alargado de Educação, será realizado no interior de Santiago, possivelmente Tarrafal, ou em alternativa na ilha do Sal.

LN/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos