Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Annalena Baerbock, dos Verdes, vai ser a próxima MNE da Alemanha

Berlim, 25 Nov (Inforpress) – A co-presidente dos Verdes alemães, Annalena Baerbock, vai ser a próxima ministra dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, o que a torna a primeira mulher no cargo, anunciou o seu partido esta noite.

Esta ecologista quadragenária, que foi a candidata Verde à chefia do governo nas últimas legislativas, vai assumir as suas funções no início de Dezembro, no quadro da coligação governamental com os social-democratas e os liberais, para abrir a era pós-Angela Merkel no país.

Annalena Baerbock vai substituir o social-democrata Heiko Maas. Vai ser também a pessoa mais jovem a desempenhar a função na história alemã.

Durante a recente campanha eleitoral, prometeu insuflar vento novo na diplomacia alemã, designadamente com um tom mais firme em relação à Federação Russa e à China.

A União Europeia tem necessidade de “uma política estrangeira alemã forte, aberta, mas activa”, tinha defendido em Maio no centro de reflexão Atlantic Council.

Oposta ao gasoduto Nordstream 2, destinado ao transporte de gás russo, esta jurista especializada em direito internacional entende que “uma outra abordagem dos regimes autoritários” é “uma questão-chave” para o futuro governo, bem como para “a segurança” e “os valores” dos alemães.

Os Verdes também anunciaram que o seu outro co-presidente, Robert Habeck, vai chefiar um ‘superMinistério’, que junta a Economia e o Clima.

Na quarta-feira, Olaf Scholz, vencedor das eleições gerais na Alemanha, avançou que o acordo de coligação governamental, trabalhado nas últimas semanas pelos sociais-democratas (SPD), liberais (FDP) e os Verdes, deve ser aprovado pelos três partidos “nos próximos dez dias”.

Oito semanas depois das eleições, realizadas em 26 de Setembro, os três partidos com as cores verde, amarela e vermelha, característica que dá o nome à chamada coligação “semáforo”, apresentaram aos jornalistas o acordo oficial de coligação, que deverá ainda ser votado pelas três forças políticas.

Numa conferência de imprensa, o ainda ministro das Finanças e vice-chanceler alemão manifestou a sua confiança na coligação “semáforo” para apontar o caminho certo da Alemanha.

Se o acordo for aprovado, Olaf Scholz, apontado como futuro chanceler alemão, já indicou algumas políticas que serão seguidas.

“Queremos ousar fazer mais progressos”, revelou, apontando o aumento do salário mínimo para 12 euros por hora e o desenvolvimento de uma tecnologia de ponta feita na Alemanha.

Em relação à política externa, Scholz sublinhou que o novo Governo irá defender uma “Europa soberana”, cultivando as relações com a França e os Estados Unidos.

Para Robert Habeck, co-líder de Os Verdes, o acordo de coligação alcançado é um documento de “coragem e confiança” em tempos de incerteza, que obrigou a negociações “exaustivas”.

A expansão das energias renováveis, para que estas não continuem a ser “um complemento”, mas sim de “interesse público” foi um dos pontos focados na conferência de imprensa.

Também o líder dos liberais, Christian Lindner, o terceiro a falar aos jornalistas, apelou à redução de contactos, “limitando-os ao necessário” para travar a nova vaga da pandemia de covid-19 que tem afectado duramente a Alemanha.

Além da pandemia, acrescentou o chefe do FDP, o novo executivo tem outros desafios que deve enfrentar, como a “descarbonização, a digitalização e o envelhecimento da sociedade”.

Inforpress/Lusa/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos