Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

ANAS diz que denúncia sobre qualidade de água em Santiago peca por “manifesta falta de rigor e de precisão”

Cidade da Praia, 12 Mai (Inforpress) – A Agência Nacional de Água e Saneamento (ANAS) disse hoje que a denúncia feita pelo investigador Nemias Gonçalves sobre a qualidade de água em Santiago “é genérica, avulsa e peca por manifesta falta de rigor e de precisão”.

A ANAS reagiu assim através de uma nota de esclarecimento à notícia veiculada pela Inforpress em que aquele investigador nas áreas de qualidade de água e do solo em climas semi-áridos afirma que a qualidade de água na ilha de Santiago “tem vindo a degradar-se ano após ano, derivado a vários factores”, apontando para a questão da sobre-exploração dos pontos de água, principalmente dos furos.

“A denúncia pública feita pelo putativo especialista e que deu origem à matéria publicada pela Inforpress e divulgada por diversos outros órgãos de comunicação social é genérica, avulsa e peca por manifesta falta de rigor e de precisão, no que tange aos parâmetros avaliados e omite ainda a informação sempre necessária sobre se os valores desses mesmos parâmetros se situam acima ou abaixo dos limites estabelecidos pelas normas vigentes”, lê-se.

A ANAS diz também que a “dita peça” é também “muito vaga”, visto que não precisa nem o tipo de captação, nem a sua localização e muito menos o destino final da água produzida.

“Ademais, ela é ilusória, porque não faz nenhuma alusão ao método estatístico de tratamento dos resultados da qualidade da água, constituído pelos seguintes parâmetros: o número de amostragens, a média, a mediana, a variância e a covariância e outras medidas e os intervalos estatísticos da qualidade da informação científica”, realça.

Por outro lado, prossegue o regulador afirmando que o facto de ter ainda desprezado parâmetros tão relevantes como métodos analíticos de referência utilizados, pontos controlados, tipo de amostragem e a referência sobre o laboratório onde foram realizados os ensaios laboratoriais, obriga a concluir “que a peça publicada carece gravemente de qualidade científica e, consequentemente, de qualquer credibilidade”.

Ainda na mesma nota, a ANAS assegurou à sociedade que estão em curso medidas adicionais de controlo e seguimento da qualidade de água, tanto para o consumo humano, como para o sector de irrigação.

“Uma dessas medidas consiste na introdução, já a partir deste corrente ano, de um Módulo de Qualidade de Água na estrutura do Relatório Anual de Qualidade de Água e Saneamento (RASAS), a fim de obrigar as operadoras do sector a imprimir uma nova dinâmica no controlo de qualidade de água e a informar aos seus clientes sobre a qualidade de água servida”, frisou.

No que toca às normas de qualidade de água para a irrigação, diz a agência que Cabo Verde tem, à semelhança de vários outros países, adoptado os parâmetros de referência da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

“Ademais, com a criação da empresa pública de gestão de sistemas de rega (AdR), a ANAS preconiza ainda reforçar não só os seus mecanismos de controlo de exploração de furos, mas também os de controlo de água destinada à irrigação de culturas alimentares”, finalizou.

GSF/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos