Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Amílcar Cabral completaria hoje 97 anos se fosse vivo

Cidade da Praia, 12 Set (Inforpress) – O pai da independência conjunta da Guiné –Bissau e Cabo Verde e fundador do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) Amílcar Cabral completaria hoje 97 anos de vida se fosse vivo.

Amílcar Cabral nasceu a 12 de Setembro de 1924 em Bafatá, Guiné Conacri, filho de Juvenal Cabral e Iva Pinhel Évora. Aos 12 anos de idade, deixa a então Guiné Portuguesa e junta-se ao pai que, nessa altura já havia regressado a Cabo Verde, e efectua os seus estudos primários na Rua Serpa Pinto, na Praia.

Radicado em Achada Falcão, em Santa Catarina, no interior da ilha de Santiago, segue mais tarde para a ilha de São Vicente, onde termina os estudos liceais em 1944, tendo sido classificado como o melhor aluno.

Em 1945, Cabral foi um dos primeiros jovens das então colónias portuguesas a serem contemplados com uma bolsa de estudos para Portugal e matricula-se no Instituto Superior de Agronomia em Lisboa.

Foi então que conheceu vários nacionalistas africanos como Marcelino dos Santos, Vasco Cabral, Agostinho Neto, Eduardo Mondlane e outros estudantes que viriam a ser futuros líderes dos movimentos de libertação.

Depois de concluir o curso, em 1952, Cabral casou-se com a portuguesa Maria Helena Atalaide Vilhena Rodrigues. Teve duas filhas, Iva e Irina, e, mais tarde, separou-se de Maria Helena, tendo se casado depois com Ana Maria Cabral, natural da Guiné-Bissau.

No ano seguinte, é colocado como engenheiro agrónomo na Guiné-Bissau, para trabalhar na estação agrária experimental de Pessubé.

Em 1956, depois de ter militado durante cerca de um ano no MING (Movimento de Libertação Nacional da Guiné), Amílcar Cabral funda o PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde), a 19 de Setembro, juntamente com Aristides Pereira e outros nacionalistas cabo-verdianos e guineenses.

Em 1960, Cabral decide fugir com os seus companheiros para a Guiné-Conakri onde ficaria instalada a sede do PAIGC e começa a trabalhar activamente nos preparativos para o reforço do PAIGC e o arranque da luta armada de libertação nacional.

A 23 de Janeiro de 1963 inicia-se a luta armada na Guiné-Bissau.

Além da política, Amílcar Cabral destacou-se como poeta e profundo pensador do seu tempo e é considerado um dos principais nacionalistas africanos, “pai” da independência conjunta da Guiné-Bissau oficialmente a 10 Setembro de 1974 e de Cabo Verde, a 5 Julho de 1975.

A 20 de Janeiro de 1973 foi assassinado em Conacri Amílcar Cabral, que na altura travava uma luta armada contra o exército português.

CM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos