Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Amicachi prevê arranque das actividades no Centro de Intercâmbio China–Cabo Verde para daqui a três meses

Cidade da Praia, 24 Abr (Inforpress) – O presidente da Associação de Amizade China-Cabo Verde (Amicachi) prevê para, daqui a três meses, o início das actividades no Centro de Intercâmbio China – Cabo Verde, um projecto “importante” para a associação sustentar a sua visão 2050.

José Correia fez esta previsão em entrevista à Inforpress, no âmbito do 45º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas Cabo Verde – China, que se assinala a 25 deste mês, lembrando que a construção da primeira fase do Centro de Intercâmbio China – Cabo Verde (CICCV) teve início em 2019.

“Paramos a obra, mas três pisos já foram construídos e já retomamos os trabalhos de acabamento desta fase. Fizemos alguns ajustes na arquitectura do projecto, e pensamos que antes de Agosto deste ano iniciaremos as actividades nessa infra-estrutura”, precisou.

Segundo a mesma fonte, o CICCV é um projecto “importante” para a Amicachi sustentar a sua visão 2050 de trilhar caminhos sustentáveis para a continuidade e desenvolvimento da associação a longo prazo.

O objectivo, revelou, é fazer da Amicachi uma associação consolidada, com autonomia financeira e com estrutura de apoio próprio para as suas actividades, uma referência e uma plataforma da sociedade civil China – Cabo Verde – África.

O CICCV, que albergará a sede da Amicachi, vai desenvolver actividades relacionadas com a cultura, a formação, eventos, intercâmbio e gastronomia.

“Em termos de projectos, nós queremos explorar ainda mais a vertente cultura, estamos a desenvolver um projecto de Academia da Cultura da AMICACHI, no sentido de contribuir para o desenvolvimento da cultura em Cabo Verde, nomeadamente da nossa música e dança tradicional (como morna, funaná, batuque, Cola Sanjon, Talaia Baixo etc.), mas também criar uma ponte de diálogo entre a cultura cabo-verdiana e chinesa”, adiantou aquele responsável.

O desporto é outro dos sectores a explorar pela associação que ambiciona criar o AMICACHI Futebol Club, que terá uma academia e uma equipa sénior, com o objectivo de contribuir também para o desenvolvimento da modalidade no arquipélago.

Neste particular, José Correia adiantou que a expectativa é contribuir para que, antes de 2046, Cabo Verde consiga ser campeão de África nessa modalidade e participar com “bons resultados” no final do campeonato do mundo de 2046 e 2050.

“Mas, estamos cientes de que esta ambição terá que ser trabalhada juntamente com o Governo e estruturas ligadas ao futebol. A nível do desporto, também queremos explorar outras modalidades como Taiji, Kung Fu (artes marciais chinesas), ténis de mesa, etc.”, acrescentou.

Segundo José Correia, a Amicachi tem vários parceiros, entre os quais os Governos de Cabo Verde e da China, as empresas, as universidades, as associações e várias outras instituições nos dois países.

A associação foi fundada há cerca de 10 anos, por ex-estudantes de Cabo Verde na China, e tem como missão promover as relações entre os dois países, de forma complementar à cooperação governamental, bem como contribuir para o desenvolvimento de Cabo Verde.

A sua visão é ser uma plataforma da sociedade civil para promoção de boas relações entre Cabo Verde e a China. A associação actua principalmente nas áreas da diplomacia da sociedade civil, cultura e desporto, educação, económico-empresarial e comunidades (comunidade chinesa em Cabo Verde e comunidade cabo-verdiana na China).

ZS/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos