AME 2017: Produtores musicais internacionais destacam a qualidade e o talento dos artistas nacionais

 

Cidade da Praia, 12 Abr (Inforpress) – Os produtores musicais e directores artísticos de festivais a nível internacional que participam na V edição do Atlantic Music Expo (AME-CV) destacaram hoje a qualidade e o talento dos artistas nacionais.

Contactados pela Inforpress, após os “daycase” deste terceiro dia do AME, que decorre deste o dia 10 e que termina esta quinta-feira, na Cidade da Praia, alguns preferiram não avançar nomes dos que pretendem levar para os festivais e outros projectos, limitando apenas em elogiar “qualidade” da música cabo-verdiana e dos seus artistas.

Para o director artístico e produtor musical que organiza o festival Sunfest, no Canadá, Alfredo Caxaj, uns dos que não revelou nomes dos que pretende levar para esse evento, esperando o encerramento do AME, reconheceu a qualidade dos artistas nacionais que viu e ouviu a actuar.

Segundo a mesma fonte, pretende levar para Sunfest artistas “talentosos” e não necessariamente os conhecidos do grande público, argumentando que o que veio procurar são artistas talentosos e com qualidade tanto de Cabo Verde como do continente africano.

Alfredo Caxaj, que já participou em todas as anteriores edições do AME e que também é um dos júris do certame que faz as selecções para os showcase, considerou ainda a  cultura cabo-verdiana de rica.

Lura, Sara Tavares, Tcheka, Elida Almeida são alguns dos nomes que conheceu no AME e que levou para actuações no Sunfest.

Por seu turno, a produtora brasileira Geovana Jardim, que organiza o festival “Vozes de Mestres – Encontro Internacional das Culturas”, avançou que tem interesse de ver a música cabo-verdiana neste festival, destacando o batuque.

Da sua lista deste género tradicional cabo-verdiano, adiantou a produtora brasileira que vai levar o grupo de batucadeiras de Tereza para o “Vozes de Mestres”.

Segundo explicou, o interesse em levar o batuque cabo-verdiano para este festival deve-se ao facto de lá terem este ritmo que é também tradicional, existente em vários quilombos.

Fantcha e Wilson Silva são outros cabo-verdianos que merecerem o elogio desta produtora musical, que conta 20 anos de carreira.

“Cabo Verde é um país que respira a música, que faz a gente sentir isso, aonde a gente passa”, enfatizou.

FM

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos