Ambulância oferecida pelo Japão vai reforçar serviço de segurança humana na Cidade da Praia – edil (c/áudio)

Cidade da Praia, 31 Out (Inforpress) – A Embaixada do Japão em cabo Verde assinou hoje com a Câmara Municipal da Praia, um contrato de doação para o fornecimento de uma ambulância, no âmbito do programa de assistência a projectos para a segurança humana.

Conforme realçou na ocasião o edil da Praia, Óscar Santos, o equipamento em apreço avaliado em cerca de 7 mil contos é a terceira ajuda do Governo do Japão à municipalidade, em três anos, cuja importância, ajuntou, é enorme para o reforço da protecção civil “nesta cidade que está a crescer muito”, contando já com 171 mil habitantes.

“É muito bom que uma cidade tenha estes tipos de equipamentos. É preciso fazer muito mais porque os desafios são enormes sobretudo porque temos lugares que são dispersos e de difícil acesso, por isso, ter uma ambulância é muito bom para a cidade”, sublinhou.

Segundo Óscar Santos, a Câmara Municipal da Praia está a trabalhar nesse âmbito para que tenha a capacidade de poder socorrer pessoas em “quaisquer circunstâncias”, seja na época das chuvas ou em outros momentos.

Entretanto, o edil explicou que em relação ao contrato de doação assinado hoje com o Japão, o equipamento em apreço só chegará à Cidade da Praia em Março de 2019, porquanto, segue agora o processo de concurso, aquisição e importação.

Na ocasião, e à margem da cerimónia, o presidente da Câmara Municipal da Praia, Óscar Santos, disse ainda que esta autarquia está a ser “um exemplo” para os outros munícios do país, embora reconhecendo que ainda “há muito para ser feito”.

“Estamos a ser um exemplo. É só ver que os outros municípios estão a fazer. Estão praticamente a seguir aquilo que faz a Câmara Municipal da Praia. Isso é muito bom porque nós também quando visitamos outras cidades, e outros países, também olhamos as boas práticas”, realçou Óscar Santos, sublinhando que “é assim que os países se desenvolvem”. “Não vamos inventar a roda quando ela já foi inventada. Temos é que copiar os bons exemplos”, completou.

Lembrou, no entanto, que a câmara da Praia tem, obviamente, “desafios maiores” que as outras autarquias, uma vez que é o maior município do país.

“Há uma pressão sobre o saneamento, procura de solos, transportes públicos, muito maior. Por isso nós temos que trabalhar muito mais rapidamente e, obviamente, precisamos de mais meios para fazer melhor”, enfatizou.

Segundo Óscar Santos, a estratégia é prosseguir com o trabalho que se tem feito até agora.

“Temos de investir bastante na questão de drenagem de água, tendo resiliência na mira. É só constatar o que aconteceu no bairro do Fontom durante vários anos, a capacidade de resiliência desse bairro é uma coisa completamente diferente agora”, referiu.

O autarca afirmou, por outro lado, que a sua equipa tem estado a “atacar fortemente” a parte norte da Cidade da Praia também com obras de drenagem de fundo, “sobretudo para dar à cidade a capacidade de resistência ou resiliência durante a época das chuvas”.

Entretanto, realçou que tem sido um desafio constante a questão dos assentamentos informais.

“Há varias construções clandestinas que estão a surgir na cidade que é um problema porque, de facto, quanto isso acontece, origina outros problemas como o de saneamento, segurança e acessibilidade”, referiu.

Contudo, Óscar Santos defendeu que para “todo esse trabalho que a câmara está a fazer”, nomeadamente no capítulo da drenagem de água, é bom que haja parceiros externos que financiem os projectos, mesmo que seja na assistência técnica.

GSF/FP

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos