Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Amazónia: ONU pede disponibilidade e cooperação dos países afectados por incêndios

Nações Unidas, 27 Ago 2019 (Inforpress) – O enviado especial do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Cimeira do Clima apelou hoje para a “total cooperação” dos governos dos países afectados pelos fogos na Amazónia.

Luis Alfonso de Alba disse, em conferência de imprensa na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, que a ONU está em contacto com os governos do Brasil, Bolívia e Paraguai sobre a situação na Amazónia, para garantir que estes respeitem os princípios da ONU em termos de ambiente e alterações climáticas.

O enviado especial declarou que a ONU está pronta para apoiar o combate por diferentes meios se houver um pedido de ajuda, mas sublinhou que é muito importante que os governos estejam disponíveis para trabalhar e que demonstrem “total cooperação”, porque têm compromissos e responsabilidades internacionais.

“Não seria a primeira vez que contribuíamos para a solução de um desastre ambiental, sempre de uma maneira apolítica”, afirmou Luis Alfonso de Alba, acrescentando que todas as respostas internacionais têm de ser concentradas na capacidade dos países afectados e nas estratégias que vão definir.

A ONU quer acolher de forma positiva as doações internacionais e a cooperação que se podem formar para dar reposta ao incêndio na floresta amazónica, apesar de o Governo brasileiro ter já anunciado que não vai aceitar a ajuda externa de 20 milhões de dólares (17,95 milhões de euros) oferecida pelo G7, grupo dos países mais industrializados do mundo.

O enviado especial do secretário-geral adiantou ser preciso um reforço do combate contra a desflorestação, fogos e degradação dos solos, visando aumentar o nível de ambição nas acções para prevenir as alterações climáticas, que vão ser discutidas na Cimeira do Clima, em Nova Iorque, em 23 de Setembro.

Luis Alfonso de Alba disse ainda não ter uma estimativa do número de participantes no evento que antecede o início da Assembleia-Geral da ONU, mas envolve mais de 250 instituições, empresas, organizações ou governos.

A Cimeira do Clima vai ouvir, por parte de representantes oficiais dos Estados-membros da ONU, a apresentação de planos nacionais de acção a implementar antes de 2020 para reforçar o combate às alterações climáticas.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta.

Tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais brasileiro anunciou que a desflorestação da Amazónia aumentou 278% em Julho, em relação ao mesmo mês de 2018.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos